Incentivos do PROENERGIA duplicaram no primeiro semestre de 2020 face a 2019

Os incentivos para aquisição de equipamentos para produção e armazenamento de energia a partir de fontes renováveis, concedidos pelo Governo dos Açores através do PROENERGIA, aumentaram 98% “no primeiro semestre de 2020 face ao período homólogo de 2019”, disse Andreia Carreiro, diretora regional da Energia.

Durante o primeiro semestre de 2020, a Direção Regional da Energia aprovou 468 candidaturas, correspondendo a 515 equipamentos elegíveis ao abrigo do PROENERGIA, num montante global superior a 386 mil euros, o que corresponde a um investimento superior a um milhão de euros, adianta nota do governo regional.

“Os dados deste ano são um reflexo da tendência de crescimento que temos vindo a registar nos últimos anos”, sublinhou Andreia Carreiro, recordando que, “em 2019, o valor dos incentivos concedidos através do PROENERGIA face a 2016 mais que duplicou, o que voltou a acontecer nestes primeiros seis meses do ano face ao período homólogo do ano anterior”.

Andreia Carreiro salientou que este sistema de incentivos sofreu uma profunda alteração em 2019, reduzindo o investimento mínimo necessário de 1.000 para 500 euros, aumentando a gama de equipamentos elegíveis, naquele que foi um alinhamento com os preços praticados no mercado.

Para além dos sistemas de produção, o PROENERGIA passou a contemplar o armazenamento de energia, sendo que, em ambos os casos, o incentivo é de 25%, até um limite máximo de 4.000 euros.

Os mesmos valores são aplicados no caso dos sistemas de produção de energia calorífica.

No âmbito desta alteração, o valor do incentivo aos sistemas de apoio à produção de águas quentes aumentou para 35%, até um limite máximo de 4.000 euros, estimulando assim uma efetiva transição energética.

O incentivo concedido a projetos que se realizem em territórios abrangidos pela Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO (Corvo, Flores, Graciosa e São Jorge) foi alvo de majoração em 12 pontos percentuais, de modo a contribuir para a salvaguarda e valorização do património natural daqueles territórios.


Fonte: AO Online