Economia

Resultados parciais da economia sobem mas ainda no vermelho

  • 29 de Agosto de 2009
  • 181 Visualizações, Última Leitura a 20 Outubro 2017 às 00:25
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Pescas e abate de gado são, no segundo trimestre deste ano, os indicadores que nos Açores apresentam melhores resultados acima da ‘linha de água’. Construção e Hotelaria estão no outro extremo com sinais de recuperação.

A venda de cimento, o licenciamento de edifícios e o emprego no sector da construção civil continuam a contribuir negativamente para os resultados daquele que já foi um dos sectores de ouro nos Açores, a construção civil.

No segundo trimestre deste ano e de acordo com os dados divulgados pelo Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA), o total de edifícios licenciados (261) correspondeu a um decréscimo de 31% quando comparado com o trimestre homólogo.

Ou seja, com o mesmo período de tempo do ano anterior. Em 2008, nos meses de Abril, Maio e Junho foram licenciados 380 edifícios (entre construções novas, ampliações, reconstruções, alterações e demolições). Contudo, esta evolução negativa quando comparada com o trimestre imediatamente anterior - ou seja, com os primeiros três meses deste ano -, revela uma recuperação. Janeiro, Fevereiro e Março de 2009 ‘somaram’ uma evolução negativa de 46,7%.

A venda de cimento no segundo trimestre de 2009 (cerca de 73 mil toneladas) reflectiu a tendência, com uma evolução negativa de 15%, por comparação com o mesmo período do ano anterior mas, uma vez mais, o desempenho recuperou relativamente aos três meses anteriores que tinham registado um evolução de -18,2%.

O sector também já não emprega o que empregou e terá, assim, contribuído para a diminuição de 10% do emprego no sector secundário. Ao contrário dos sectores primário e terciário que evoluíram favoravelmente.

Em termos globais, no emprego observaram-se acréscimos de 1,9% em termos homólogos (ou seja, por comparação com o mesmo período do ano anterior) e de 0,7% relativamente aos primeiros três meses do ano. Ainda assim, a taxa de desemprego na Região situou-se em 7,0% no segundo trimestre deste ano. Num indicador onde as subidas não são desejáveis, apesar de residual, verificou-se um aumento de 0,3 pontos face ao primeiro trimestre deste ano e de 1,6 pontos percentuais por comparação com o mesmo período de 2008.

No universo da população com emprego, verificaram-se aumentos nos grupos de trabalhadores por conta de outrem (2,6%) e por conta própria (1,8%). Isto tendo como referência comparativa o segundo trimestre de 2008. Ao invés, registou-se uma diminuição no grupo de trabalhadores por conta própria como empregador (13,3%).

A procura turística da Região continuou em baixa no segundo trimestre. Comparando com o mesmo período do ano anterior, o total de dormidas apresentou uma taxa de variação negativa (5,4%), embora recupere em relação ao primeiro trimestre deste ano (-6,2%).

Campeão de desempenho revelou-se neste trimestre o sector das pescas nos Açores. A pesca descarregada nos portos açorianos, no período em análise,registou um aumento comparativo com o segundo trimestre de 2008 na ordem dos 29,1%. Este aumento deve-se à captura de tunídeos que cresceu 152,9%. Gado, no total, abateram-se mais 1,5% no período em causa, do que no segundo trimestre de 2008.

Menos satisfeitos assumem-se os comerciantes açorianos.Em Junho, o indicador de tendência Apreciação da actividade passada” apresentou-se negativo e a opinião sobre a evolução do volume de vendas também.

Clima económico mais favorável nos Açores

O clima económico nos Açores é “mais favorável” do que o que existe a nível nacional, refere o Boletim Trimestral do Serviço Regional de Estatística, na comparação com os indicadores nacionais.

No 2º trimestre deste ano o emprego desacelerou e a taxa de desemprego continuou a aumentar, atingindo7% , mas, ainda assim, refere-se, é a segunda mais baixa taxa do país e inferior à taxa de desemprego nacional (9,1%).

Como positivo, o SREA regista, ainda, “o bom desempenho” dos sectores agrícola e das pescas, a avaliar pelo leite entregue nas fábricas, abate de gado e quantidade de pesca descarregada.

A produção do leite para consumo registou um aumento homólogo de cerca de 40 % e o consumo de energia do sector industrial apresentou-se positivo, o que não acontecia há três trimestres.

Em Junho, a taxa homóloga da inflação atingiu os 0,8% e a taxa média situou-se nos 2,5%, evidenciando uma tendência descendente, apesar de superior à nacional, de 0,9%...

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Cinco mais Um? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos