Economia

Avarias na central responsáveis por cortes no Parque Industrial

  • 7 de Agosto de 2009
  • 184 Visualizações, Última Leitura a 17 Dezembro 2017 às 02:30
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A Electricidade dos Açores (EDA) confirma a existência de períodos de inactividade na linha eléctrica que abastece o Parque Industrial de Angra, fruto de situações ocorridas na central eléctrica do Belo Jardim.

Mário Mendes, administrador da empresa, confirmou um período de inactividade segunda-feira, “um reiniciar da rede, com uma duração de 1 segundo” e outro no dia seguinte com duração de 16 minutos.

No mês de Julho a EDA tem registo de cinco disparos na rede e em Junho foram registados quatro períodos de inactividade na linha que alimenta o Parque Industrial, sendo de 28 minutos o maior período sem electricidade, afirma a administrador.

De acordo com Mário Mendes, estas quebras ocorrem devido a problemas na central. Quando é detectado algo fora do normal, e para que não se dê um apagão geral na ilha, o sistema automaticamente começa a deslastrar linhas permitindo que as restantes possam abarcar com a carga.

A linha que abastece o parque industrial está no 1º escalão, ou seja, a qualquer pequena avaria na central, é das primeiras a ser deslastradas, o que origina os períodos de inactividade, explica Mário Mendes.

A situação deverá ter melhorias com a entrada em funcionamento da subestação das Quatro Ribeiras, prevista para o próximo mês, “o mais tardar em Outubro”, avança o responsável da EDA. Esta nova subestação vai permitir abastecer a zona norte da Terceira e dividir a linha que sai da subestação da Ribeira Brava e que abastece actualmente Angra, o Parque Industrial, Quatro Ribeiras e Biscoitos.

“ A partir dessa altura, o Parque Industrial irá ter uma linha quase dedicada, permitindo que esta zona saia do 1º escalão em caso de avarias”, afirma Mário Mendes.
 
Sem indemnizações
 
Questionado sobre possíveis indemnizações devido à perca de material electrónico em consequência das falhas de electricidade, Mário Mendes afirma que a EDA apenas está obrigada a indemnizar “quando o número e duração das indisponibilidades ultrapassam o previsto no Regulamento de Qualidade de Serviço”.

“ Estando o Parque Industrial numa zona de tipo C, o regulamento prevê um numero muito maior de interrupções que por exemplo, em Angra que é do tipo A, e até à data estamos dentro dos parâmetros previstos”, frisa o responsável, lembrando que em 2008 a EDA cumpriu o regulamento em todas as nove ilhas do Arquipélago.

Recorde-se que empresários localizados no Parque Industrial já deram conta de material danificado por casa das quebras de electricidade, tendo a Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo endereçado uma carta a pedir explicações À EDA sobre a situação e sobre possíveis ressarcimentos deste material.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Quatro? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos