Economia

Banco de Portugal corta previsão de 2009 e prevê contracção de 3,5 no PIB

  • 14 de Abril de 2009
  • 190 Visualizações, Última Leitura a 23 Agosto 2017 às 00:39
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O Banco de Portugal reviu hoje em baixa a previsão para a evolução da actividade económica em 2009, antecipando agora uma contracção de 3,5 por cento no Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com o boletim económico de Primavera, a economia portuguesa deve deteriorar-se este ano, depois de ter estagnado em 2008, contraindo-se 3,5 por cento em 2009.

A previsão anterior do Banco de Portugal, relativa a 6 de Janeiro, apontava para uma queda de 0,8 por cento da actividade económica, pelo que a revisão foi de 2,7 pontos percentuais.

No entanto, já várias vezes nos últimos meses, o governador do Banco de Portugal tinha dado a entender que esse número seria revisto em baixa.

Na conferência de imprensa que decorre no Banco de Portugal, Vítor Constâncio afirmou que, há menos de uma semana, se tinha manifestado mais pessimista em relação à evolução da economia portuguesa, indiciando que o PIB poderia cair mais que na recessão de 1993 (altura em que recuou 1,4 por cento).

A queda de 3,5 por cento do PIB agora prevista pelo Banco de Portugal foi mais forte do que o esperado pelos analistas contactados pela Lusa, que tinham antecipado um recuo de três por cento.

A justificar a revisão do Banco de Portugal estão as revisões das componentes do consumo, mas sobretudo das exportações e do investimento.

O consumo privado deve recuar 0,9 por cento este ano, em vez da anterior subida de 0,4 por cento, penalizado pela queda da despesa em bens duradouros e pela desaceleração das compras de produtos não duradouros.

O Banco de Portugal nota que esta queda do consumo privado acontece apesar do contexto ser favorável ao aumento do rendimento disponível. Assim, é sobretudo a deterioração das condições no mercado de trabalho e o aumento da incerteza sobre os rendimentos futuros das famílias que estão a pressionar o consumo.

O investimento descerá 14,4 por cento (revisão de 12,7 pontos percentuais) e as vendas ao estrangeiro devem baixar 14,2 por cento (previsão anterior era de recuo de 3,6 por cento).

O consumo público é a única componente do PIB que deverá registar uma subida (de 0,4 por cento, valor que compara com a queda esperada nas previsões de Janeiro que apontavam para descida de 0,1 por cento).

As importações também deverão cair (11,7 por cento).

O relatório do Banco de Portugal nota que a justificar a "forte" queda do investimento deve estar a componente empresarial e bem como a residencial.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos