Economia

Governo promove acção de sensibilização para entidades empregadoras

  • 10 de Março de 2009
  • 268 Visualizações, Última Leitura a 21 Agosto 2017 às 04:32
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Dirigida especialmente às entidades empregadoras da Região, a campanha de sensibilização “Remuneração igual para trabalho de igual valor”, iniciativa conjunta entre a Secretaria Regional do Trabalho e Solidariedade Social e as direcções regionais da Igualdade de Oportunidades e do Trabalho, Qualificação Profissional e Defesa do Consumidor, foi anunciada por Ana Paula Marques no encerramento do Seminário “A Mulher no Século XXI”, em Ponta Delgada. A secretária regional do Trabalho e Solidariedade Social defendeu, na ocasião, um conjunto de acções concertadas, tendo por base a igfualdade e a não discriminação entre homens e mulheres no trabalho, no emprego, na educação e na formação profissional.

Destacando a importância do Plano Regional para a Família e Infância, Ana Paula Marques considerou o documento “uma prioridade” para o Governo dos Açores, uma vez que se trata de “um instrumento fundamental de ajuda às famílias, no exercício da função parental e os níveis de conciliação da vida profissional com a vida familiar e pessoal das mulheres e dos homens, a criação das condições favoráveis e apelativas à fixação dos jovens onde a baixa natalidade e as migrações se verificam com maior intensidade e a promoção do incentivo ao aumento da natalidade”.

Implementar acções concertadas contra qualquer tipo de violência doméstica e de protecção às vítimas e neste âmbito implementar um Plano Regional de Prevenção e Combate à Violência Doméstica nos Açores constitui outra das prioridades do Executivo, que pretende, igualmente, promover medidas facilitadoras do acesso à escolarização, formação, qualificação e requalificação profissional, ao emprego e à habitação, disse.

Segundo acrescentou, outro dos objectivos do Governo passa, também por incrementar o empreendedorismo inclusivo, designadamente o empreendedorismo feminino, como forma de combater a feminização da pobreza. Destacando nesta área as acções elegíveis no âmbito do Pró-Emprego a que as entidades se podem candidatar e o Regime de Apoio ao Microcrédito Bancário.

Dados do Instituto Nacional de Estatística que referenciou indicam que, em 1995, a taxa de actividade feminina nos Açores, era de 26,7 , enquanto que em Portugal era de 42,4, ou seja, menos 15,78 pontos percentuais. Em 2008, a taxa de ocupação nos Açores era de 47,4 , enquanto que em Portugal era de 47,9 , isto é, menos 0,5 pontos percentuais, um valor demonstrativo do trabalho desenvolido pelo Governo dos Açores nos últimos anos, considerou.

“Nos Açores, nos últimos anos temos vindo a trilhar um caminho de afirmação da mulher nos mais variados contextos sociais e profissionais. A mulher tem vindo a assumir um papel cada vez mais activo no contributo para desenvolvimento político, económico e social da Região. São disso indicadores o maior número de mulheres a entrar no mercado de trabalho, quer por conta de outrem quer no que diz respeito à própria iniciativa empresarial e empreendedora”, salientou Ana Paula Marques.

Segundo afirmou “enquanto que o número global de trabalhadores nos Açores aumentou 12%, o número de mulheres nos quadros das empresas aumentou 36%, o número de mulheres Quadros Superiores aumentou 50%, e, fenómeno ainda mais marcante, o número de mulheres quadros altamente qualificados aumentou 241%.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Oito mais Cinco? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos