Os custos de produção têm sofrido sucessivos aumentos. Da farinha que duplicou de preço no último ano, passando pelo combustível, à energia e à mão-de-obra. Tudo somado reflectiu-se na quantia que os consumidores pagam pelo pão. O resultado parece ser a crise do sector.

As chamadas carcaças passaram de 12 para 14 cêntimos e a ACIP, a associação do sector de panificação, diz que 10% das empresas encerraram.

Mas há padarias onde não se sente a quebra das vendas. Com crise ou não o pão continua a ser um produto essencial na alimentação dos portugueses.