Economia

SIDER apoia exportações nas empresas regionais

  • 11 de Fevereiro de 2011
  • 232 Visualizações, Última Leitura a 20 Julho 2017 às 18:30
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Para Vasco Cordeiro, o secretário regional da Economia, a revisão do Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER) visa “criar todas as condições que permitam potenciar a capacidade para que as nossas indústrias com essa vocação se afirmem cada vez mais como indústrias exportadoras”.

A revisão do Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER) significará “uma grande aposta na capacidade exportadora das empresas regionais”, disse hoje, em Angra do Heroísmo, o Secretário Regional da Economia.

Vasco Cordeiro, que falava no final de uma reunião com a Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo, destinada a proceder a uma apresentação formal da proposta de revisão do SIDER, garantiu ser objectivo do Governo “criar todas as condições que permitam potenciar a capacidade para que as nossas indústrias com essa vocação se afirmem cada vez mais como indústrias exportadoras”, criando assim “condições para o seu crescimento e desenvolvimento”.

Segundo o Secretário Regional da Economia, as alterações agora propostas para revisão do SIDER “destinam-se a conciliar as necessidades das empresas açorianas com a actual conjuntura”, principalmente com “uma visão estratégica de desenvolvimento da nossa economia, precisamente no sentido de reforçar cada vez mais o sector das exportações”.

O governante salientou ainda que o trabalho de revisão do SIDER “foi iniciado pelo Governo há já algum tempo, quer no âmbito de uma análise realizada pela própria Secretaria Regional da Economia, quer no âmbito de diversas auscultações aos parceiros sociais, nomeadamente ao Conselho Regional da Incentivos”.

Segundo Vasco Cordeiro, a reunião de hoje permitiu, igualmente, “explicitar os grandes objectivos desta proposta de revisão do SIDER, nomeadamente o que ela implica no reforço da competitividade das nossas empresas e na sua capacidade para criar e manter postos de trabalho”.
O Secretário Regional da Economia iniciou ontem uma ronda de contactos com as câmaras do comércio e indústria regionais, bem como com diversas outras entidades empresariais para apresentação da proposta de revisão do SIDER.

No âmbito desses contactos, Vasco Cordeiro reuniu esta manhã com a direcção da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo, depois de ontem se ter encontrado com as direcções da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, com a Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas dos Açores (AICOPA) e com a Associação de Hotelaria, Restaurantes e Similares de Portugal (AHRESP).

Amanhã o Secretário Regional da Economia encontra-se, na Madalena, com a direcção da Associação de Comerciantes e Industriais da ilha do Pico (ACIP) e, na Horta, com a Câmara do Comércio e Indústria da Horta.

 

Alterações no sistema de incentivos são importantes


Segundo o presidente da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo, estas alterações são importantes para o crescimento económico da Região.

A Direcção da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) recebeu, esta manhã, o Secretário Regional da Economia, para apresentação e discussão das alterações, propostas pelo Governo Regional, aos Sistemas de Incentivos para o Desenvolvimento Regional em vigor na Região Autónoma dos Açores.

Segundo o Presidente da CCAH, as alterações terão um “impacto positivo no “aumento da competitividade, da qualidade de serviço e da inovação”, pois é “necessário um maior investimento privado para a economia crescer e aumentar o emprego”.

Sandro Paim considera que as propostas vão “quase totalmente de encontro às expectativas que a CCAH tinha para a reformulação dos Sistemas de Incentivos”, nomeadamente no urbanismo comercial e na vertente da exportação.

Em relação às reformulações no urbanismo comercial, o Presidente da CCAH considera que são muito positivas e tocam em pontos fundamentais para “aumentar a atractividade e o fluxo das pessoas aos centros urbanos”, indo, também, de encontro às “preocupações do cluster da construção”.

Relativamente às exportações, as alterações “estão de acordo com as preocupações crescentes das empresas com cariz de exportação”, mas a CCAH tem uma “perspectiva um pouco mais abrangente”. A Associação Empresarial considera que a base da exportação deve ser, não só os produtos exportáveis, mas também as “empresas que, de alguma forma, prestam serviços ou vendem produtos para exportação”.

A CCAH irá analisar as propostas no prazo de uma semana, e considera que a implementação deve ser feita o mais rapidamente possível. Nesse sentido, comprometeu-se a fazer um “esforço junto dos empresários, em parceria com o Governo Regional, para informar das alterações e incentivá-los a investir”, de modo a que se dêem “os passos certos para o desenvolvimento da economia”.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos