Economia

Carlos César revela que o Governo Regional vai avançar com novos apoios ao sector empresarial

  • 18 de Novembro de 2010
  • 219 Visualizações, Última Leitura a 26 Setembro 2017 às 02:06
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Carlos César deixou aos empresários da região uma clara mensagem de confiança no futuro no momento em que presidia à cerimónia de apresentação da revista “As 100 Maiores Empresas dos Açores”, publicação da Açormédia que há já vinte e cinco anos vem premiando empresas e gestores regionais.

O Presidente do Governo sustentou que o espaço europeu em que Portugal se insere nos inclui num espaço de segurança económica, para além de que há factores que contribuem para alimentar algum optimismo, como, por exemplo, o de a dívida directa não ir além dos 10% do Produto Interno Bruto (PIB), o de a dívida indirecta ser irrelevante, o de também ser pouco acentuada a pressão fiscal sobre as empresas e o de os sistemas de incentivos na região serem, como disse, “absolutamente generosos e sem qualquer comparação próxima no nosso país.”

Lembrando que em pouco mais de uma década o PIB regional subiu de cerca de 61% do europeu para os actuais 72%, o governante disse haver “razões para estarmos confiantes com estes Açores positivos, sabendo que ainda há pouco mais de uma década éramos os últimos do país e agora atingimos 98% do rendimento médio disponível das famílias do país, ultrapassando a Região Norte, a Região Centro e o Alentejo:”

Por outro lado, “os indicadores principais de actividade relativos ao terceiro trimestre deste ano também revelam, todos eles, sem qualquer excepção, uma melhoria, quer em relação ao trimestre anterior, quer ao trimestre homólogo de 2009”, realçou.

Para ao Presidente do Governo, esses são dados “ que nos devem reter e animar, porque significam que, “não obstante as grandes dificuldades que todos estamos a sentir, temos reservas de energia, temos um trabalho e um avanço realizado nos Açores e devemos confiar que somos capazes, nos tempos mais fáceis e nos tempos mais difíceis, de continuar esse percurso.”

Carlos César, que concluiu manifestando convicto de haver razões para preocupações, mas também razões para confiança e esperança, tinha reafirmado a intenção do seu Governo de – apesar dos meios financeiros serem semelhantes aos do ano anterior – canalizar para a Saúde, para o sector social e para o expressivo apoio às empresas as disponibilidades resultantes da ligeira redução do Plano e da alteração de prioridades.

Revelando que o Governo tem, assim, uma segunda agenda das políticas públicas, com a qual, conjunturalmente, rectificará desequilíbrios e compensar famílias e empresas nesta situação difícil, o Presidente do Governo acrescentou que “acentuaremos, até, a nossa aposta em vectores que consideramos mais determinantes do nosso plano sócio-económico de médio prazo e das nossas políticas estruturais.”

O apoio à estabilidade social e a promoção do crescimento sustentado da economia e da competitividade das empresas foram alguns desses vectores que referiu, acentuando que o investimento público será reforçado em áreas como a agricultura, as pescas, o turismo e a exportação, entre outras.

Carlos César, revelando que mais de 1300 empresas beneficiaram já de linhas de crédito aberta pelo Governo para poderem fazer face ás dificuldades impostas pela crise internacional, anunciou que, com o mesmo objectivo, vão abertas novas linhas de crédito e reforçadas as já existentes.

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos