Economia

Criada linha de crédito de 60 milhões para tecido empresarial

  • 20 de Maio de 2010
  • 205 Visualizações, Última Leitura a 18 Agosto 2017 às 07:05
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O Governo dos Açores acaba de lançar uma linha de crédito no valor de 60 milhões de euros que vai permitir às empresas fornecedoras de bens e serviços com créditos sobre o poder local, obter esta liquidação.

A Linha de Crédito Açores Empresas II, publicada ontem em Jornal Oficial dos Açores, vai abranger apenas as empresas cujo capital seja totalmente detido pela câmara municipal.

Beneficiarão desta linha as empresas fornecedoras de bens e serviços com facturas emitidas até 15 de Maio de 2010 sobre as câmaras e empresas municipais.

De acordo com a medida o Governo dos Açores assegurará o pagamento do spread, que acresce ao indexante, cujo valor máximo será de 3,5 por cento.

O indexante que recai sobre as operações de financiamento é liquidado pela câmara ou empresa municipal. O prazo máximo de apoio é de dois anos contados a partir da data do contrato celebrado com o beneficiário.

Uma micro empresa receberá apoio até 75 mil euros, as pequenas empresas até 150 mil euros e as médias e grandes empresas até 500 mil euros.

Sempre que o valor em dívida do beneficiário exceda o limite, este montante será acrescido de 50% do valor das facturas que não concorrem na determinação dos referidos limites.

O prazo de vigência da linha é de 90 dias, podendo ser extensível.

O reembolso do capital será efectuado pelo beneficiário, na proporção directa das transferências efectuadas pelo poder local.

Mário Fortuna, presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD), considera que esta medida do Governo vem “minimizar os atrasos substanciais” nos pagamentos das câmaras municipais e empresas municipais.

Recorda que as empresas regionais têm suportado durante um período “demasiado longo” as dívidas, o que “naturalmente prejudica os seus resultados e o financiamento das suas actividades em condições normais”.

Mário Fortuna defende, por outro lado, que as medidas que foram aprovadas no ano transacto para combater a recessão devem ser revistas, visando prolongar os períodos de carência de amortização da dívida.

O presidente da CCIPD refere-se especificamente à medida de apoio à recuperação dos créditos, à linha Açores Investe e Açores Empresas.

“Na altura em que estas medidas foram criadas calculava-se que a crise fosse passageira. Não é este o caso, uma vez que os indicadores económicos apontam no sentido de alguma persistência da crise” - explica.

A partir de hoje os empresários já podem recorrer à linha agora criada.

Minimizar impactos da crise

Com esta medida, que se junta às outras já adoptadas, o Governo dos Açores pretende “debelar e minimizar o impacto dos efeitos adversos da conjuntura económica e financeira internacional nos Açores”.

Na leitura do executivo com estas medidas têm-se obtido “fortes estímulos e reforçado a confiança”.

No entanto, o Governo dos Açores admite que “em diversos sectores, estas ainda carecem de estreito acompanhamento, apoio e consolidação”.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Cinco mais Oito? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos