Economia

Governo assegura que plataformas logísticas não aumentam preço das mercadorias

  • 20 de Abril de 2010
  • 226 Visualizações, Última Leitura a 17 Agosto 2017 às 19:25
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O secretário regional do Ambiente, Álamo Meneses, assegurou que as plataformas logísticas que o governo açoriano prevê criar nos portos de Ponta Delgada e da Praia da Vitória não vão aumentar o preço das mercadorias nos Açores.

“Só haverá plataformas logísticas se houver empresários interessados em potenciá-las e se isso se reflectir numa dinamização dos custos”, afirmou, garantindo que o executivo regional “não quer aumentar o preço das mercadorias, nem subsidiar o transporte”.

Álamo Meneses falava segunda-feira à noite na Horta, Faial, no final de um debate sobre as plataformas logísticas previstas no Plano Regional de Ordenamento do Território (PROTA), um em Ponta Delgada (S. Miguel) e outra na Praia da Vitória (Terceira).

As garantias do secretário regional do Ambiente surgiram na sequência de acusações feitas durante o debate por alguns empresários locais, para quem o governo regional estaria a “ceder a pressões de lobbies da Terceira” ao impor uma alteração ao atual modelo de transporte marítimo de mercadorias.

Para o economista Eugénio Leal, que foi membro de anteriores executivos regionais do PSD, a proposta do governo para a criação de plataformas logísticas pressupõe que a carga proveniente do continente seria descarregada em Ponta Delgada ou na Praia da Vitória, de onde seguiria para as restantes sete ilhas do arquipélago.

Na sua perspectiva, esta solução, além de aumentar os custos das mercadorias, representa um “retrocesso para a economia do Faial”, que actualmente recebe as mercadorias em contentores que chegam directamente do continente.

Álamo Meneses respondeu, garantindo que “não há nenhuma intenção do governo de obrigar as mercadorias a passar por esta ou por aquela ilha”, acrescentando que apenas se pretende criar condições para a existência de plataformas logísticas se os empresários açorianos concluírem que é uma boa opção.

A Câmara do Comércio e Indústria da Horta pronunciou-se contra as plataformas logísticas, o que também já aconteceu com a Câmara da Horta e o Conselho de Ilha do Faial.

As críticas à criação das plataformas logísticas vêm também da bancada socialista na Assembleia Legislativa dos Açores, tendo o deputado Lizuarte Machado considerado que esta solução pode encarecer o frete, aumentar a demora no transporte marítimo e criar instabilidade em matéria de segurança da mercadoria.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Quatro? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos