Economia

Governo apela à responsabilidade social das empresas açorianas

  • 15 de Abril de 2010
  • 211 Visualizações, Última Leitura a 21 Setembro 2017 às 21:13
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social apelou hoje à responsabilidade social das empresas.

“Hoje não são só as remunerações que importam, mas também as condições que se criam para as pessoas produzirem e terem um bom ambiente de trabalho”, acrescentou Ana Paula Marques que considerou a responsabilidade social das empresas como um desígnio a interiorizar.

A governante regional falava durante a sessão de divulgação do prémio “Igualdade é Qualidade”, nas instalações da empresa Nova Gráfica, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel.

Na ocasião, Ana Paula Marques destacou, ainda, o aumento do número de mulheres com actividade profissional – trabalhadoras ou empresárias – que duplicou, nos últimos anos, na Região.

Segundo a Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social, entre 2000 e 2008 enquanto o número global de trabalhadores nos Açores aumentou 15%, o número de mulheres nos quadros das empresas aumentou 52%, o número de mulheres Quadros Superiores aumentou 121%, sendo que “o fenómeno ainda mais marcante” é o número de mulheres quadros altamente qualificados que aumentou 299%.

Para a governante regional, estes dados resultam das políticas de emprego e de igualdade de género promovidas pelo Governo.

No entanto, face à entrada “maciça” das mulheres no mercado de trabalho, Ana Paula Marques defendeu a “criação de condições para que mulheres e homens estejam de forma igualitária no mercado de trabalho, no exercício da maternidade e paternidade e na promoção de uma melhor articulação entre a vida pessoal, familiar e profissional. Ou seja, por um lado promover as condições necessárias para a mulher se manter e ascender no mercado de trabalho e por outro, promover as condições necessárias de participação dos homens na esfera pessoal e familiar”.

Neste contexto, realçou a importância da nova Lei da Parentalidade que “constitui uma mudança sem precedentes, no paradigma de apoio à família em contexto laboral, permitindo uma maior co-responsabilização e maior acompanhamento das mães e dos pais no primeiro ano de vida dos filhos, contribuindo para combater a descriminação das mulheres trabalhadoras”.

Na Região, entre Maio e Dezembro de 2009, 1059 homens, beneficiaram do Subsídio de Parentalidade e este ano já deram entrada 263 pedidos.

Referindo-se ao prémio “Igualdade é Qualidade”, a governante regional demonstrou-se convicta de que “nos Açores existe um conjunto de empresas que se pautam pela ética empresarial e pela responsabilidade social”, sendo por isso, “fundamental reconhecer o esforço das empresas que têm uma atitude proactiva no sentido de encontrarem formas inovadoras de se manterem produtivas e competitivas no mercado. Além disso, mas não menos importante, porque é um prémio que premeia as empresas que se distinguem pela implementação de medidas promotoras da igualdade de género, da não discriminação e conciliação entre a vida profissional e familiar”.

Ana Paula Marques prestou, ainda, um reconhecimento público à empresa Nova gráfica pela Menção Honrosa obtida no prémio “Igualdade é Qualidade de 2009”, cuja distinção, a governante regional acredita ter contribuído para “elevar o nome da Região e do seu tecido empresarial”.

“A Nova Gráfica é um exemplo que através da promoção de políticas de igualdade de direitos e de oportunidades para todas as pessoas é possível não só manter, como aumentar os índices de produtividade e dos níveis de satisfação dos trabalhadores e trabalhadoras”, sublinhou.

Para a Secretária Regional do Trabalho e Solidariedade Social “é este o caminho para a implementação de uma nova cultura empresarial, de uma nova organização do trabalho, naturalmente assente no mérito, no talento, nas qualificações, mas que também deve ser humanizada e inclusiva, que contribua para o desenvolvimento económico da Região de forma socialmente sustentada e para uma sociedade mais justa e coesa”, concluiu.

O prémio “Igualdade é Qualidade” promovido pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE), em parceria com a CIG, é uma distinção de prestígio que tem por objectivo combater a discriminação e promover a igualdade entre mulheres e homens no trabalho, no emprego e na formação profissional, bem como a conciliação da vida profissional, familiar e pessoal.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Oito mais Oito? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos