Economia

Água do Posto Santo poderá ser engarrafada

  • 26 de Março de 2010
  • 393 Visualizações, Última Leitura a 18 Dezembro 2017 às 11:05
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A água proveniente da zona hidrotermal da freguesia do Posto Santo pode ter potencial para ser engarrafada e comercializada, rivalizando com as melhores águas minerais gaso-carbónicas do país e até da Europa.

A opinião é do professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Luis Cardoso de Oliveira. “É uma água cujas propriedades não se esgotam na nascente e que aparenta apresentar todas as qualidades para ser engarrafada e atrair clientes na Europa e dos Estados Unidos”, afirmou, ontem, na conferência “Termalismo em Angra: Uma Oportunidade”, promovida pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Água.

Uma amostragem recente  recolhida neste furo, que foi realizado em 1995,  demonstra que o PH das águas do Posto Santo é de 6.86, quando a neutralidade é 7, e também a existência de valores de cálcio e magnésio “ótimos”. A temperatura situa-se entre os 38 e os 40 graus.

Além dos fins terapêuticos, está presente sílica nesta água, um elemento importante na dermo- cosmética.

O professor coordenador do Instituto Superior de Engenharia do Porto e consultor do INOVA José Martins Carvalho, geólogo, também acredita que a água do Posto Santo pode ter um futuro no mercado das águas minerais engarrafadas, mas é prudente, afirmando que o processo de reconhecimento de uma água mineral é demorado e minucioso.

“É preciso ter as devidas condições, seguir muitos passos, não tem nada a ver com o que hoje existe montado no Posto Santo. Existirá um longo caminho a percorrer”, disse.

De acordo com José Martins Carvalho é necessário agora explorar os vários cenários prospetivos, fazer estudos de viabilidade “que não precisam ser demasiado caros”, bem como estudos médico-hidrológicos.“É um projeto que não é já para a semana, mas sim algo que vai precisar de ser acarinhado por toda a sociedade terceirense. Só assim terá pernas para andar”, lançou.

Segundo o diretor científico do INOVA (Instituto de Inovação Tecnológica dos Açores) João Carlos Nunes, responsável pelo projeto TERMAZ – Termalismo, Lamas Termais e Águas Engarrafadas dos Açores”, deverá ser feito este verão um ensaio do caudal, para determinar que quantidade de água pode ser extraída.

Terceira com condições para se lançar no termalismo

A utilização das águas da zona hidrotermal do Posto Santo não se esgota na possibilidade de se avançar para o engarrafamento e comercialização. O cenário mais provável a médio prazo é a balneoterapia (duches, massagens, etc) e a aposta em tratamentos de beleza e bem-estar.

Segundo o professor coordenador do Instituto Superior de Engenharia do Porto José Martins Carvalho, tudo indica que o furo no Posto Santo apresente um caudal de 25 litros por segundo, um valor significativo se comparado com as termas com mais utilizadores do país, em São Pedro do Sul, com 10 litros por segundo. “É um caudal superior duas vezes e meia”, resumiu.

José Martins Carvalho lembrou o facto de esta “descoberta” no Posto Santo estar situada perto de um núcleo urbano com unidades hoteleiras e também com a presença das piscinas do INATEL, elementos que podem ser potenciados a favor do turismo de bem-estar e saúde.

O diretor científico do INOVA, João Carlos Nunes, também adiantou que um dos aspetos que chamou desde logo a atenção do instituto foi o grande potencial de futuros utilizadores existente.

Presente na conferência “Termalismo em Angra: Uma Oportunidade”, esteve a presidente do município, Andreia Cardoso, que realçou que o facto da autarquia se ter unido ao INOVA, incluindo o Posto Santo no projeto TERMAZ, surge com a intenção final de colocar a ilha Terceira no roteiro do termalismo açoriano.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Nove mais Cinco? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos