Economia

Centro em Lisboa vai distribuir peixe açoriano

  • 25 de Março de 2010
  • 274 Visualizações, Última Leitura a 22 Agosto 2017 às 03:22
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O Governo Regional está a operacionalizar um centro logístico de distribuição de pescado, que terá sede em Lisboa. De acordo com o subsecretário regional das Pescas, Marcelo Pamplona, em causa está um centro que servirá “pescadores e comerciantes da Região” que se queiram associar ao projecto já mencionado pelo presidente do executivo açoriano, Carlos César em discurso sobre o Plano e Orçamento para 2010.

Ainda segundo Marcelo Pamplona, em causa está incluir os pescadores no circuito da comercialização, reduzindo o número de intermediários, “sendo que alguns nem são da Região” e permitindo aumentar os rendimentos desta classe.

O assunto esteve em discussão, terça-feira, numa reunião que decorreu na freguesia de São Mateus e que juntou à mesma mesa o subsecretário regional das Pescas e as associações de pescadores e armadores dos Açores. “Estivemos a debater a operacionalização de parcerias na área da comercialização”, referiu.

Quanto à forma como vai ser colocada em prática a logística em torno deste centro de distribuição a criar na capital, Marcelo Pamplona avança que se está actualmente em fase de estudo. “Quando a solução final estiver encontrada, será anunciada a devido tempo”, concluiu.

Marcelo Pamplona adianta que nas instalações do centro logístico de distribuição de pescado trabalharão as empresas que serão envolvidas, entre elas a LOTAÇOR e a  empresa pública ESPADAPESCAS.

No mesmo encontro na freguesia de São Mateus, foram abordadas as outras medidas incluídas no plano do Governo Regional para o sector das pescas.

De acordo com o subsecretário regional responsável por este sector, em causa estão medidas como a decisão de apoiar os jovens armadores (até 40 anos) em 15 por cento na compra de uma embarcação em segunda-mão ou a renegociação com a banca dos empréstimos contraídos para modernização da frota, prolongando os prazos.

Está também definida a aposta na captura do peixe-espada preto, que passa a ter um preço instituído de três euros por quilo.

Uma novidade é a distribuição por todas as embarcações de um manual sobre os apoios da Segurança Social, adaptado ao sector das pescas.

Compradores de pescado comparam Marcelo Pamplona a Hugo Chávez

O dirigente da Associação de Compradores de Pescado dos Açores, Domingos Silveira, compara a actuação do subsecretário regional das Pescas, ao criar a empresa pública de venda e exportação de pescado ESPADAPESCAS, à do presidente venezuelano Hugo Chávez “Colocam-se os privados todos na rua e nacionaliza-se tudo”, dispara.

Domingos Silveira considera que a ESPADAPESCAS se encontra a operar em concorrência desleal aos privados. “O senhor subsecretário quer sobrepor-se aos compradores e colocar os pescadores e associações de pesca a vender o peixe. Vão fazê-lo como? Vão trabalhar com dinheiro do governo, dos impostos que nós pagamos…”, afirma, acrescentando que o peixe nos Açores é vendido com margens fixas de lucro de 25 por cento. “Se alguém ultrapassar essa margem a fiscalização tem de actuar”.

Quanto ao facto de Marcelo Pamplona ter afirmado que está em curso a implementação de um centro logístico de distribuição de pescado que servirá pescadores e compradores da Região, Domingos Silveira afirma que a concorrência desleal mantém-se. “Continuamos a competir com uma empresa pública e ao mesmo tempo ter de pagar aos nossos empregados”.

“Se calhar nas empresas que são nossas associadas, que têm à volta de 300 ou 400 empregados, estes vão acabar no fundo de desemprego”, afirma. “Queremos que as associações e os privados funcionem, mas com condições iguais”, conclui.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Cinco mais Três? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos