Economia

Desemprego na construção aumenta 49% e confirma "forte recessão" do sector

  • 25 de Março de 2010
  • 220 Visualizações, Última Leitura a 24 Outubro 2017 às 10:30
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O número de desempregados na construção aumentou 49 por cento entre Janeiro de 2008 e de 2009, para perto de 75 mil pessoas, confirmando a "forte recessão" da actividade em Portugal, anunciou hoje a federação do sector.

 

Segundo a análise de conjuntura de Março da Federação Portuguesa da Construção (Fepicop), "só no mês de Janeiro inscreveram-se nos centros de emprego mais 5.992 trabalhadores do sector, o que dá bem conta da situação muito grave que se vive neste sector de actividade".

 

 

A prová-lo, refere, está a quebra de 12 por cento na produção registada (em termos homólogos) nos dois primeiros meses de 2010 no segmento de obras públicas, que, até agora, "era o único a revelar algum dinamismo".

 

Segundo a federação, esta redução vem juntar-se às quedas de 21 e 4,2 por cento verificadas no mesmo período nos mercados da habitação e dos edifícios não residenciais, respectivamente.

 

"O ano de 2010 iniciou-se com reduções em todos os segmentos da construção, as quais explicam o aumento contínuo do número de desempregados no sector, que apresenta já uma taxa de desemprego de 12 por cento, superior em dois pontos percentuais à média nacional", destaca a Fepicop.

 

Face à evolução negativa da produção do sector e à quebra de 11,3 por cento registada na carteira de encomendas das empresas, a federação diz não ser "de admirar que os empresários da construção se manifestem bastante apreensivos face ao futuro".

 

De acordo com a Fepicop, os construtores portugueses continuam "a revelar-se bem mais pessimistas do que os seus congéneres europeus", com o indicador de confiança a situar-se nos menos 54,7 por cento, contra os menos 33,1 por cento na União Europeia a 27.

 

 

Para a federação, "a deterioração da opinião dos empresários nacionais está também relacionada com as perspectivas de retracção do investimento público anunciadas no PEC (Programa de Estabilidade e Crescimento), com o alegado objectivo de reduzir a despesa pública para conter o défice orçamental".

 

Defendendo que "a contenção do défice deveria ser prosseguida pela via da redução das despesas correntes e não do investimento", a Fepicop alerta que "o sector carece de medidas urgentes, nomeadamente ao nível do mercado da reabilitação urbana, sob pena de se continuar a assistir à explosão do número de desempregados oriundos da construção".

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Oito mais Quatro? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos