Economia

Navios de cruzeiro sem grande impacto no comércio em Ponta Delgada

  • 22 de Março de 2010
  • 250 Visualizações, Última Leitura a 24 Novembro 2017 às 00:01
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A caminho da Europa ou rumo às Caraíbas, cerca de meia centena de navios de cruzeiro, com 66 mil turistas a bordo, fazem este ano escala em Ponta Delgada, mas o seu peso na economia da cidade é pouco significativo.

"Os turistas entram nas camionetas na doca para viagens organizadas ao pontos turísticos mais importantes de S. Miguel e regressam à cidade na altura do barco partir", lamentou uma vendedora da Casa Regional Ilha Verde, que vende artesanato e artigos para turistas na baixa de Ponta Delgada, em declarações à Lusa.

Na Loja de Artesanato, que tem dois estabelecimentos no centro histórico, Susana Carvalho expressou a mesma opinião, salientando que os poucos turistas que ficam na cidade "dão uma vista de olhos e andam".

Na maioria dos casos, os navios de cruzeiro que passam por S. Miguel chegam de manhã cedo e partem ao final da tarde e os turistas que trazem "vêem os pontos mais interessantes da ilha e lancham o que trazem do barco".

O proprietário do Capote e Capelo, outra loja dedicada à venda de artigos para turistas, apesar de considerar que, "quanto mais gente vier melhor", também admitiu não ter ganhos especiais com a escala de navios de cruzeiro.

De igual modo, para as empresas de aluguer de viaturas os cruzeiros estão longe de constituírem um grande negócio, uma vez que o pouco tempo que os turistas passam em S. Miguel é organizado em excursões de grupos.

"Sempre se alugam três a quatro carros por barco", frisou Carlos Calado, do Grupo Ilha Verde.

Este quadro faz com que os comerciantes contactados pela Lusa tenham afastado a possibilidade de abrir as lojas ao domingo sempre que se encontre um navio de cruzeiro na cidade, alegando que são mais os encargos do que os benefícios.

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD), Mário Fortuna, confirmou à Lusa que é essa a indicação recebida dos associados, valorizando a presença dos Açores na rota dos cruzeiros sobretudo pela sua vertente promocional.

"Há o registo da experiência de um dia na ilha", afirmou, salientando que a publicitação das escalas de cruzeiros na página da CCIPD resulta da importância de informar os empresários com antecedência sobre a presença de grupos numerosos de eventuais clientes.

Para receber estes navios em Ponta Delgada, o governo regional promoveu a construção de um cais de cruzeiros, integrado nas Portas do Mar, que inclui lojas e zonas para exposições e concertos, num investimento global superior a 60 milhões de euros.

Mário Fortuna admitiu que as características que revela actualmente a escala de navios de cruzeiro na cidade não perspectivam a rentabilização deste investimento, que também serve os navios de passageiros que viajam entre as ilhas do arquipélago no verão.

Este ano, a escala de navios de cruzeiro em Ponta Delgada tem uma maior concentração em Abril, com 19 escalas previstas, mas prolonga-se até 30 de Dezembro.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Dois? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos