Economia

Empresas dos Açores apostam no lançamento de novos produtos

  • 27 de Fevereiro de 2019
  • 51 Visualizações, Última Leitura a 21 Abril 2019 às 22:27
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A maior feira nacional dedicada à exportação foi aproveitada pelas empresas açorianas presentes para o lançamento de novos produtos.

Durante o SISAB é possível encontrar novas garrafas de vinhos e licores, mas também novos sabores de chás e compotas.

Um sinal da inovação efetuada pelas empresas regionais e da aposta na apresentação das novidades na maior feira nacional do setor agroalimentar.

Pedro Melo, responsável da Salsicharia Ideal, lançou uma embalagem em frasco de pasta de chouriço e pé de torresmo.

“Será uma venda direcionada para retalho e restauração”, revelou o empresário, acrescentando que estes produtos estão inseridos numa linha de “produtos premium” juntamente com o chouriço, a morcela e as pastas.

“Vamos apostar numa linha de produtos com baixo valor de sal. Existe uma preocupação dos consumidores com a saúde e vamos lançar este ano estes novos produtos. O nosso chouriço é efetuado com 95 por cento de carne, enquanto a nossa morcela é efetuada com baixo teor de gordura e sal. Os nossos produtos apresentam sabores típicos e tradicionais”, vincou.

Carolina Ferreira, representante da Fábrica de Licores Eduardo Ferreira & Filhos, aproveitou esta feira para lançar um rum produzido nos Açores.

“Durante os últimos dez anos investimos na cana de açúcar e este ano lançámos o rum Antília. Estamos muito orgulhosos porque somos os únicos a lançar um rum dos Açores. O mercado do rum está em crescimento, em 2017 cresceu 17 por cento a nível nacional. Faz todo o sentido esta aposta, porque os Açores têm um clima propício para o cultivo da cana de açúcar”, explicou.

A empresa de licores da Ribeira Grande aproveitou ainda para lançar uma edição especial de uma aguardente, envelhecida em 15 anos de cascos de carvalho.

A Lactaçores também revelou um novo produto no SISAB. Trata-se de um pacote de miniaturas de queijos de São Jorge, com diferentes tempos de cura.

António Azevedo, responsável da exportação da empresa, revela que este produto está direcionado para consumo familiar. “Estamos a falar um pacote com o peso total de 240 gramas.

É o ideal para servir em casa com um jantar de família ou amigos. Para a restauração ainda podemos lançar um produto idêntico ou com porções diferentes”, revelou.

Com este novo produto a empresa consegue aumentar o valor do queijo de São Jorge e responder à procura dos consumidores. A empresa Pronicol, sediada na ilha Terceira, também lançou um novo queijo no SISAB.

Ana Félix, supervisora comercial, indicou que foi lançado um queijo de prato Milhafre. “Nós quisemos desenvolver novos produtos da gama Milhafre.

Começamos pela manteiga, passamos para o leite, e agora um queijo de prato inteiro com uma apresentação característica e rústica”, assinalou.

Célia Ferreira, chefe de área da Insulac, aproveitou a feira para apresentar quatro novos queijos ilha e mais qualidade de queijos ralados.

“O objetivo é divulgar os novos produtos e procurar angariar novos mercados. A nossa empresa já exporta para muitos países”, assinalou. Ana Gonçalves, responsável pela área de exportação e novos negócios da BEL, aproveitou a feira para encontrar novos mercados.

“A exportação está a crescer. Ainda não representa os valores que pretendíamos, mas este projeto precisa de ser construído a médio/longo prazo”, registou.

A representante da BEL revelou que está a trabalhar “em vários mercados”, mas o objetivo “é ir e ficar”.

“Estamos a trabalhar com vários mercados em vista e consideramos que vamos chegar a bom porto”, frisou.

O empresário Fernando Sousa, da empresa Quintal dos Açores, localizada na freguesia de Candelária, em Ponta Delgada, também apresentou novos produtos e uma nova imagem.

“Ao nível das compotas temos dois novos sabores. É a nêspera e a laranja. Ao nível de temperos e pimentas mudamos as embalagens. Deixamos o plástico para lançar produtos embalados em vidro. Criamos uma nova gama de produtos picantes com o objetivo de diversificar os produtos e responder às necessidades dos consumidores”. registou.

“A exportação representa 20 por cento do negócio da empresa e está a crescer”, salientou.


Mercado asiático em força

O mercado asiático está em maioria no SISAB. São muitos os empresários que pretendem exportar produtos nacionais para os países asiáticos.

A Região também acaba por ganhar com esta presença em massa de empresários que procuram encontrar novos produtos para abastecer um mercado em crescimento.

Para os empresários açorianos esta é uma oportunidade complexa, devido à distância, mas que poderá representar boas oportunidades de negócios para lojas de produtos gourmet.

A primeira barreira a ser vencida é a comunicação. Alguns dos exportadores apenas comunicam em mandarim, sendo acompanhados por tradutores, para conseguir estabelecer negociações com as empresas nacionais e regionais.

Os asiáticos gostaram de provar as bebidas, os queijos, os enchidos, as compotas e as pimentas regionais. Falta agora saber se existe interesse em finalizar os negócios que se iniciaram durante os primeiros dois dias da feira em Lisboa.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Nove mais Cinco? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos