Economia

Relatório defende “preço justo” aos produtores de leite

  • 22 de Fevereiro de 2019
  • 39 Visualizações, Última Leitura a 26 Maio 2019 às 07:28
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Aproximação do preço médio pago ao produtor nacional com a média europeia e campanha de informação sobre benefícios do leite estão entre medidas propostas.

O deputado socialista eleito pelos Açores, João Castro, apresentou na Assembleia da República um relatório no qual defende um “preço justo” aos produtores de leite.

Segundo nota à imprensa do Partido Socialista, o deputado João Castro, relator do Grupo de Trabalho do Leite criado pela Comissão Permanente de Agricultura e Mar, na Assembleia da República, apresentou um relatório no qual propõe “várias medidas” para proteger o setor do leite.

Entre as soluções apresentadas, o parlamentar sugere “uma campanha de informação que alerte para os benefícios do consumo de leite e seus derivados; a promoção de mecanismos facilitadores da livre concorrência, ao longo de toda a cadeia de valor, por forma a assegurar o correto funcionamento do mercado e o combate às práticas desleais; e a aproximação do preço médio pago ao produtor nacional com a média europeia”.

Nesta nota é ainda realçado que apesar de o trabalho realizado ter mostrado que o “leite é um produto que reúne características nutricionais únicas, não sendo conhecido qualquer outro produto que o possa substituir”, João Castro identificou vários problemas no setor.

“A produção do setor do leite em Portugal quando comparado com a produção no Centro e Norte da Europa, suscita um esforço no sentido da harmonização de políticas”, lê-se no documento.

Para além disso, acrescenta, “o preço médio em Portugal é, em regra, inferior ao preço médio praticado na União Europeia (EU), calculando-se que, nos últimos nove anos – 2010 a 2018 – a produção nacional tenha perdido cerca de 421,5 milhões de euros de receita, devido a estas diferenças”.

Segundo o parlamentar, é ainda vital que “os intervenientes na cadeia de valor tenham em conta a concertação indispensável, entre a produção, a indústria e a distribuição, cuja interdependência é evidente, salvaguardando o preço justo à produção enquanto base para todo o setor.

Acrescente-se ainda que entre os problemas identificados está a concentração, com o deputado a alertar que “53% da quota de mercado é detida por duas operadores; 69% da quota de mercado é detida por quatro operadores e 84% da quota de mercado é detida por seis operadores”.

“Existe um grande caminho a percorrer”, adverte João Castro, elencando: “na informação ao consumidor e na promoção dos benefícios do consumo de leite e dos seus derivados, na capacitação da indústria para gerar respostas que acrescentem valor, na redistribuição de valor ao longo da cadeia assegurando o correto funcionamento do mercado e no desenvolvimento de metodologias de implementação do conceito de pagamento justo à produção, no entanto, acreditamos que é possível colocar o setor do leite no patamar que merece”, conclui.

Refira-se que, a atividade desenvolvida pelo grupo de trabalho no Parlamento passou pela audição de um conjunto de entidades, de todo o país, incluindo as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Quatro mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos