Economia

19 milhões para conservar terra e mar dos Açores

  • 13 de Fevereiro de 2019
  • 111 Visualizações, Última Leitura a 24 Junho 2019 às 22:11
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O projeto Life Azores Natura - Proteção Ativa e Gestão Integrada da Rede Natura 2000, vai disponibilizar ao longo dos próximos nove anos 19,1 milhões de euros para diversas medidas de conservação ambiental da terra e do mar dos Açores.

O projeto foi ontem apresentado na Fábrica da Baleia de Porto Pim, na cidade da Horta, no Faial, tendo na ocasião a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro, afirmado que este é “o maior projeto de conservação alguma vez concebido para os Açores”.

Dos 19,1 milhões de euros, mais de 14 milhões de euros serão destinados à componente terrestre, com um conjunto de intervenções nas áreas da Rede Natura 2000 dos Açores.

A estes, juntam-se mais de 4 milhões de euros destinados à componente marinha, para complementar medidas de conservação e de gestão das atividades humanas no mar, referiu também durante a apresentação do projeto o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes.

Com o projeto Life Azores Natura – Proteção Ativa e Gestão Integrada da Rede Natura 2000, Marta Guerreiro salientou, citada pelo GACS, que este é “um investimento sem precedentes em habitats e espécies protegidas, valorizando ainda mais aquele que já é um dos principais ativos dos Açores e a sua imagem de marca: a Natureza”.

A estratégia do Life Azores Natura e os trabalhos previstos no projeto baseiam-se numa forte parceria institucional, envolvendo entidades como a Azorina - Sociedade de Gestão e Conservação da Natureza ou a SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, isto para além das direções regionais do Ambiente e dos Assuntos do Mar.

O projeto Life Azores Natura prevê ainda uma ação-piloto com uma entidade da Macaronésia responsável pela Rede Natura 2000, a Fundação Canária – Reserva Mundial da Biosfera de La Palma, que irá desenvolver trabalhos de prevenção, controlo e erradicação de espécies exóticas invasoras, visando espécies que também são uma ameaça nos Açores.

Por isso, conforme referiu a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, esta estrutura de parceria “permite que o projeto beneficie de um conhecimento técnico, político e operacional sólido e valioso, garantindo, assim, a continuação das ações após o fim deste projeto”.

Ainda citada pelo GACS, Marta Guerreiro referiu também o reforço das políticas públicas de Ambiente com “uma aposta clara na conservação do património natural e na qualidade ambiental”.

E deu como exemplo o plano de investimentos da Região para este ano, que tem “uma dotação de 13,8 milhões de euros para as políticas de conservação da natureza”, contrastando com as médias anuais de 9,8 milhões, em 2017 e 2018 e de 6,4 milhões, entre 2013 e 2016.

Durante a apresentação do projeto Life Azores Natura, o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes, considerou que este é “um passo extremamente importante naquilo que são as políticas públicas de conservação da natureza”, defendendo que “vai apoiar” a administração regional “daqui para a frente, no reforço da preservação do ambiente e da biodiversidade nos Açores”.

Também citado pelo GACS, Gui Menezes defendeu que o sucesso do Life Azores Natura vai depender do “trabalho articulado”.

Por isso, salienta a importância de dar continuidade às políticas do Governo na ligação entre as diversas instituições que apoiam a administração regional “no percurso de mantermos os Açores como eles são, mantendo valores ambientais únicos”.

Falando de algumas ações que se irão desenvolver no âmbito do Life Azores Natura, Gui Menezes lembrou que estas pretendem colmatar algumas lacunas de informação sobre o meio marinho nos Açores, nomeadamente ao nível da monitorização de espécies marinhas e do manuseamento de espécies protegidas, como é o caso das tartarugas marinhas.

O secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia salientou também que o Life Azores Natura prevê uma grande componente de formação e de diálogo com a sociedade civil, bem como ações ligadas à recuperação de habitats marinhos, ao controlo de espécies marinhas invasoras e à monitorização de atividades humanas no mar, como é o caso do Whale Watching.

Mas também a utilização de áreas marinhas protegidas, em particular da Rede Natura 2000, no sentido de avaliar o real cumprimento dos regulamentos em vigor é outro dos objetivos do Life Azores Natura.

Gui Menezes destacou ainda o trabalho de avaliação que será feito sobre o estado de conservação do cavaco, “o único invertebrado marinho listado na Diretiva Habitats”, referindo que esta “é uma espécie valiosa, mas pouco conhecida e vulnerável à exploração”.

Isto para além do trabalho de avaliação da rede de áreas marinhas protegidas que “já está a decorrer”.

Gui Menezes revelou também que através do Life Azores Natura serão adquiridas duas embarcações que “poderão ser utilizadas por vários organismos públicos em ações no âmbito das suas competências”.

O secretário regional com a tutela do Mar, recordou, por fim, que “os Açores, na componente marinha, têm um historial de conservação da biodiversidade de mais de três décadas e são reconhecidos nesta área tanto a nível nacional, como internacionalmente”.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Três? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos