Economia

Pressão turística ainda é reduzida nos Açores

  • 24 de Novembro de 2018
  • 20 Visualizações, Última Leitura a 19 Abril 2019 às 22:18
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Marta Guerreiro revelou que a carga turística nos Açores é inferior a três por cento, considerando que há espaço para crescimento ainda que deva ser acompanhado por uma monitorização permanente.

A secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo defendeu ontem que a Região ainda suporta uma maior pressão turística, realçando o trabalho desenvolvido na monitorização.“A pressão turística que hoje verificamos é ainda reduzida.

(...) A intensidade turística é um indicador que nos permite ver em média num dia do ano quantos turistas temos face à totalidade da população nesse local e nos Açores a média aponta para 2,7 por cento, o que significa que em cada 100 pessoas três são turistas”, destacou Marta Guerreiro, que participou ontem no painel ‘Desafios do crescimento: o caso açoriano’, no 44.º Congresso Anual da APAVT - Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo.

A governante realçou mesmo que quando se compara a intensidade turística dos Açores com a Madeira, que é de oito por cento, ou Menorca, que é 18 por cento, ou Lanzarote, que tem 39%, “temos, no nosso entender, uma boa margem para crescer, reforçando o contributo que o turismo pode dar à Região, sem nos aproximarmos de realidades onde claramente não queremos estar”.

Apesar deste otimismo, a secretária regional do Turismo disse ter consciência que em certos momentos há um maior fluxo de turistas aos locais mais icónicos e que por esta razão a Região tem apostado numa melhor gestão dos espaços turísticos, na regulação da quantidade de pessoas e na diversificação da oferta.

Também interveniente neste painel, o presidente da Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH), Rodrigo Rodrigues, lembrou que nas outras ilhas do arquipélago não existe a mesma pressão turística que se verifica em São Miguel, ainda que algumas possam em termos estatísticos ter tido um crescimento relativo comparável.

O porta-voz dos empresários considerou - em linha com a secretária regional - que São Miguel ainda “tem grande capacidade de crescimento turístico”, defendendo, no entanto, a importância da monitorização.

De forma a garantir o crescimento do turismo em todo o arquipélago, Rodrigo Rodrigues considerou que os transportes aéreos são fundamentais.

“É fundamental termos uma SATA Air Açores equilibrada do ponto de vista financeiro, que utilize todos os seus recursos na operação inter-ilhas regional, que não utilize os recursos que já não muitos em operações fora da Região, e que reorganize o seu modelo de transporte inter-ilhas por forma a que com os mesmos recursos consigamos atingir mais oferta, muito mais ilhas e por aí defender as operações que se estão a desenvolver”, afirmou, alertando que, “pelo que está anunciado, no próximo verão em São Miguel poderemos ter oferta em termos de aviões e não de hotéis”.

Já à margem deste painel, a secretária regional do Turismo destacou que a sazonalidade tem tido uma evolução muito positiva na Região.

“Se antes falávamos de quatro meses de época alta que concentravam a grande maioria das nossas dormidas, hoje quase podemos falar em quatro meses de época baixa, o que é muito significativo”, destacou.

Apesar desta evolução Marta Guerreiro considera que a sazonalidade é um desafio constante, explicando que a estratégia do Governo tem passado pelo posicionamento da Região como destino de natureza com atividades que podem ser desenvolvidas ao longo de todo o ano.

Por outro lado, defendeu que a forma de levar o turismo a todas as ilhas é criando condições para que todas possam beneficiar deste crescimento, o que passa por promover cada ilha pelas suas especificidades.

Ainda neste painel foi discutida a carência de recursos humanos no setor do turismo, tendo a secretária-geral da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal defendido a valorização das profissões ligadas ao turismo como forma de colmatar este défice.

Nesse sentido, a responsável recordou que a AHRESP negociou a contratação coletiva com as centrais sindicais, melhorando os rendimentos e subindo as categorias profissionais.


AHRESP vai realizar estudo sobre alojamento local nos Açores

A AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal vai iniciar em breve um estudo sobre o alojamento local na Região, à semelhança do que já realizou noutras áreas do país, anunciou ontem a secretária geral da associação.

O objetivo deste estudo é caracterizar os imóveis, o perfil do hóspede e do empresário, o impacto económico da atividade de forma a perceber o nível de intervenção que é necessário realizar nesta tipologia de alojamento.

Ana Jacinto lembrou o trabalho já realizado contribuiu para a associação criar o programa Quality que responde à dinâmica e aos desafios de crescimento do alojamento local garantindo elevados padrões de qualidade e contribuindo para a promoção e projeção internacional do destino Portugal aliado à criação de uma marca que seja reconhecida pela procura.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos