Economia

Inovação, iniciativa empresarial e ética nos mercados podem estimular recuperação - Cavaco Silva

  • 5 de Março de 2010
  • 241 Visualizações, Última Leitura a 24 Novembro 2017 às 05:44
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A inovação, a iniciativa empresarial e a ética nos mercados devem marcar o fortalecimento do relacionamento entre Portugal e Espanha, defendeu hoje, em Barcelona, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Numa intervenção no Fórum Ibérico, Cavaco Silva disse também que, tanto a nível ibérico como europeu, inovação, a iniciativa empresarial e a ética nos mercados podem representar mais oportunidades e estímulos para a saída da crise.

Para Cavaco Silva, essa é a receita para cimentar o já profundo relacionamento económico entre os dois países ibéricos, que hoje se enfrentam ao esforço de "adotar um caminho de crescimento sustentável" que aprenda da crise, potencie recursos e reconheça o novo quadro competitivo global.

"O principal objetivo das empresas portuguesas e espanholas deve ser o de apostar fortemente na inovação, no reforço da competitividade e na conquista de novos mercados. É nestas vertentes que reside o futuro económico dos nossos países", afirmou.

Um objetivo que para se concretizar exige "o empenho de toda a sociedade, incluindo dos agentes políticos" e continua a "aprofundar as reformas estruturais necessárias à criação de condições mais favoráveis ao desenvolvimento da iniciativa privada".

"Trata-se, por exemplo de modernizar o Estado, de investir no conhecimento e na investigação, de requalificar empresas e capital humano, e de mobilizar os agentes económicos", afirmou.

O presidente da República intervinha na abertura do primeiro Fórum Ibérico, que decorre hoje em Barcelona e que é dedicado aos temas dos mercados ibéricos de eletricidade e gás, as energias renováveis e os investimentos no espaço euromediterrânico.

Trata-se de uma iniciativa promovida pela Câmara de Comércio de Barcelona, pelo Governo de Portugal, através do seu Consulado-Geral em Barcelona, e pela Generalitat da Catalunha (governo regional catalão), com o apoio da Câmara Hispano-Portuguesa.

Um espaço que, segundo Cavaco Silva, pretende "promover o debate e o relacionamento económico entre Portugal e Espanha, contribuindo, de forma continuada, para uma cooperação mais efetiva entre os agentes económicos e empresariais dos dois países".

Cavaco Silva destacou que a integração económica dos dois mercados tem vindo a consolidar-se nos últimos anos, sendo Portugal o terceiro destino das exportações portuguesas e Espanha o principal destino das exportações portuguesas.

Ainda assim, Cavaco Silva considera que os dados não evidenciam um aproveitamento pleno do mercado ibérico ou uma "cooperação económica entre Portugal e Espanha suficientemente desenvolvida e consolidada".

As estatísticas podem, por exemplo, sobrestimar o verdadeiro valor das trocas comerciais já que os dois países são também "plataformas de passagem de bens, rumo a outros mercados".

Considerando que ainda existem "ganhos importantes" no relacionamento dos agentes económicos dos dois países, Cavaco Silva destaciu o "desafio de primeira linha" das questões energéticas e ambientais.

Agora, sublinhou o chefe de Estado, deve continuar a capitalizar-se nas vantagens que a integração europeia trouxe a Portugal e a Espanha e, apesar da instabilidade económica e financeira internacional, continuar a atuar "numa perspetiva de médio e longo prazo".

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Um mais Três? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos