Economia

Adesão das empresas ao ‘Terceira Tech Island’ implica triplicar a formação em programação

  • 11 de Outubro de 2018
  • 11 Visualizações, Última Leitura a 18 Outubro 2018 às 09:52
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O Vice-Presidente Governo destacou hoje, na Praia da Vitória, a “dimensão e projeção nacional” do ‘Terceira Tech Island’, reafirmando os resultados muito positivos na captação e instalação de empresas através deste projeto, criado no âmbito do Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira (PREIT) para potenciar as vantagens competitivas que a ilha e a Região podem oferecer no desenvolvimento das tecnologias de informação e de atração de empresas do setor.

Sérgio Ávila salientou que a grande procura que se tem verificado vai exigir um reforço claro e uma aceleração daquilo que estava previsto "em termos de criação de emprego e de formação em programação”.

“Vamos ter que formar mais rapidamente mais Açorianos na área de programação porque, felizmente, temos muitas empresas que se querem instalar e outras, que já estão instaladas, querem aumentar o número de postos de trabalho”, frisou o governante, sublinhando a necessidade de se “antecipar o planeamento inicial”.

“Nas próximas formações, em vez de duplicar, vamos ter que triplicar o número de alunos para corresponder à procura das empresas”, adiantou o titular da pasta do Emprego e Competitividade Empresarial, garantindo que o “enorme sucesso” do projeto, que dissipou eventuais dúvidas iniciais, pode, a médio prazo, “criar postos de trabalho em número superior aos que foram perdidos pela redução de efetivos norte-americanos na Base das Lajes”.

Sérgio Ávila afirmou que têm sido recebidas nos últimos tempos “intenções de muitas empresas nacionais, algumas delas a pedir mais de uma centena de programadores como condição para se instalarem cá, portanto, temos que acelerar ainda mais o que estava previsto em termos de formação com vista a triplicar a formação no próximo ano”.

O Vice-Presidente do Governo considerou que a oferta formativa e a procura por parte das empresas para se instalarem na ilha Terceira “deve ser um desafio para todos os Açorianos”.

“Venceremos tão mais rapidamente este desafio se tivermos mais Açorianos a aderir a este projeto, nomeadamente desempregados ou pessoas à procura de novas oportunidades com futuro, como é a programação”, salientou Sérgio Ávila, realçando, ao mesmo tempo, o facto de, entre os alunos do terceiro curso de programação, estarem pessoas que optaram por abandonar as suas carreiras para integrarem o projeto ‘Terceira Tech Island’ à procura de uma nova carreira, que considerou ser “aliciante, muito bem remunerada, estável e com muito futuro, como provam os ex-alunos que foram contratados, de imediato, pelas empresas”.


Fonte: GaCS

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Sete mais Cinco? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos