Economia

PIB dos Açores foi o único do país a convergir com a UE

  • 19 de Dezembro de 2017
  • 260 Visualizações, Última Leitura a 22 Junho 2018 às 18:38
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Região foi a única no país que, desde o ano 2000, viu o seu PIB convergir para a média europeia, mas a produtividade baixou em 2015.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Açores cresceu dentro da média nacional nos resultados provisórios do ano de 2016, mas foi o único ao nível das sete regiões do país a ter uma trajetória convergente com a média comunitária no período entre 2000 e 2015.

Contudo, em 2015, o último ano com dados finais, a produtividade do trabalho baixou nos Açores, apesar do aumento da riqueza produzida, devido sobretudo ao peso da administração pública no aumento do emprego.

Segundo revela o Instituto Nacional de Estatística (INE), entre 2000 e 2015, apenas os Açores registaram entre as sete regiões nacionais uma trajetória de convergência do seu PIB per capita com a União Europeia, passando do índice 67,3 para 68,9 e tendo nesse período de 15 anos deixado a cauda do país e ultrapassado as regiões Norte e Centro.

A Área Metropolitana de Lisboa continua a ser a única com um PIB per capita acima da média europeia.

Os resultados provisórios do PIB nacional para 2016 apontam para a produção de uma riqueza bruta de 3927 milhões de euros nos Açores no ano passado, mais 300 milhões de euros que no ‘pico’ da crise em 2012.

O crescimento nominal face a 2015 foi de 2,5% (a média nacional foi de 3%), embora o crescimento real, ou seja, depois de descontado o efeito da subida de preços, tenha sido de 1,6% face a 2015, quando a média nacional foi de 1,5%.

Os fortes crescimentos do turismo estarão, seguramente, associados a estes valores e como a subida real do PIB dos Açores foi revista de 1,7 para 3% no resultado final de 2015, resta ver agora se o resultado final de 2016 ficará abaixo ou acima de 2015.

Os dados finais do INE relativos aos Açores em 2015 apontam também um aspeto a ter em conta na estruturação da economia nos próximos anos.

É que, apesar do Valor Acrescentado Bruto (VAB) da economia açoriana ter subido 2,8% em 2015, face ao ano anterior, a produtividade do trabalho baixou nesse ano 3,5%.

Em causa está o aumento de 6,5% do número de pessoas empregadas, sobretudo na administração pública, segundo aponta o INE.

Refira-se, contudo, que a remuneração média nos Açores também acompanhou a baixa na produtividade, com -3,9% em 2015, o que levou mesmo a que o custo do trabalho por unidade produzida até tenha baixado 0,5% na Região em 2015.

Embora o investimento nos Açores tenha um peso reduzido no todo nacional (1,9% do total), a Região registou ainda assim a maior taxa de crescimento do investimento nos números finais de 2015, com uma subida de 9,8% face a 2014.

Refira-se, por fim, que em 2015, o Rendimento Disponível Bruto per capita das famílias dos Açores foi de 11.806 euros, um valor superior à média nacional, que foi 11.658 euros e que, no contexto das sete regiões do país, apenas é ultrapassado por Lisboa e pelo Algarve.

Esse número, cruzado com os indicadores de pobreza, indica que o problema nos Açores não está no rendimento bruto das famílias, mas sim numa melhor distribuição.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Nove? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos