Economia

Investimento privado na Região supera os 290 ME

  • 9 de Setembro de 2017
  • 24 Visualizações, Última Leitura a 20 Novembro 2017 às 07:27
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Competir + recebeu 661 novos projetos privados até à data. Governo prevê a criação de 1330 postos de trabalho.

O Vice-Presidente do Governo dos Açores anunciou ontem, em Ponta Delgada, que, ao abrigo do Competir +, foram já apresentados 661 novos projetos privados, o que significa um investimento empresarial superior a 290 milhões de euros.

Sérgio Ávila, que falava nas Portas do Mar por ocasião da cerimónia de abertura da quarta edição da feira Açor Expo, aproveitou ainda para sinalizar que “o conjunto destes projetos de investimento prevê a criação de mais 1330 novos postos de trabalho diretos e permanentes”.

Num discurso que esteve maioritariamente centrado nos indicadores e sinais de retoma da economia regional, o governante fez questão de sublinhar o capital de confiança do tecido empresarial.

“Os Açores foram nos últimos 12 meses, a zona do país em que mais novas empresas foram criadas por cada empresa que fechou”, afirmou Sérgio Ávila, acrescentando que “só neste período foram constituídas 460 novas empresas” na Região.

O número dois do executivo açoriano deu ainda conta de um otimismo quanto à recuperação do setor primário e da construção civil, e manifestou-se igualmente convicto da evolução positiva do setor turístico e hoteleiro.

Entende, por isso, que ainda este ano será possível “consolidar o aumento do rendimento disponível das famílias, o incremento do Produto Interno Bruto da nossa Região, o crescimento do emprego e uma ainda maior redução do desemprego.”

Já o presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, cujas palavras inauguraram o evento, abordou os prós e contras da “tendência inflacionista” que regista no arquipélago.“

Do lado positivo, esta inflação quer dizer que a economia tem dinâmica, está com fulgor e o mercado está a puxar pelos preços.

Do lado negativo, aponta-se o facto de estarmos a ter uma inflação mais elevada do que os nossos parceiros (...) o que implica uma degradação da competitividade ”, disse Mário Fortuna, sem evitar apontar o dedo à fiscalidade.

O economista criticou “o aumento significativo dos custos em setores como os transportes e as comunicações” e voltou a frisar que é preciso alterar o atual modelo de transportes marítimos, seguindo o exemplo do que se fez com os aéreos.

Mário Fortuna não terminou o seu discurso sem deixar de lembrar que seria importante incluir “algum alojamento local nos sistemas de apoio ao investimento”.

A feira Açor Expo apresenta uma área de 2200 metros quadrados e junta cerca de 60 stands com serviços e produtos de empresas regionais que estarão patentes ao público até amanhã.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Cinco mais Oito? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos