Economia

Arquipélago cresceu acima da média do PIB em 2015

  • 17 de Dezembro de 2016
  • 329 Visualizações, Última Leitura a 15 Outubro 2019 às 01:33
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O crescimento dos Açores foi de 1,7%, valor acima da média do país.  Para Sérgio Ávila, estes dados “evidenciam clara retoma económica”.

Os Açores registaram em 2015 um crescimento superior à média nacional, tendo registado um acréscimo real do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,7%, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os resultados preliminares das Contas Regionais de 2015, no ano passado a taxa real do PIB dos Açores foi 1,7%, enquanto o país teve um crescimento inferior (1,6%), sendo que o ritmo de crescimento foi mais do dobro do verificado em 2014 (0,7%).

Os dados mostram ainda que a  taxa de evolução real do PIB dos Açores foi superior às taxas de crescimento das regiões Madeira com -0,1%, do Alentejo com 1,4% e de Lisboa com 1,2%. Já o Algarve com 2,7% foi a Região com maior crescimento, seguindo-se o  Centro e o Norte com a mesma taxa de 1,9%.

Numa reação aos números divulgados pelo INE, o vice-presidente do Governo Regional dos Açores, Sérgio Ávila, disse - citado em nota do executivo regional - que estes dados “evidenciam uma clara retoma da atividade económica” na Região, representando um “crescimento económico que é mais do dobro do ano anterior”, o que consolida “a perceção que tínhamos de que o período recessivo já foi”.

Sérgio Ávila sublinhou que este ritmo de crescimento do PIB “é considerado, em termos internacionais, um valor referencial do ponto de vista do crescimento da atividade económica”, adiantando que, “pelos indicadores que temos”, será reforçado em 2016.


Produtividade diminui

As  Contas Regionais finais de 2014, divulgadas pelo INE, mostram que a produtividade do trabalho diminuiu em 2014 em todas as regiões do país, com especial relevância nos Açores e Alentejo.

A queda na produtividade do trabalho - índice dado pelo quociente entre o Valor Acrescentado Bruto (VAB) em termos reais e o emprego em Indivíduos totais - explica-se por ter havido “um aumento de emprego superior ao aumento real do VAB”.

De acordo com os mesmos dados, nos Açores, o VAB aumentou 0,2%, enquanto o emprego subiu, em 2014, 4,6%, resultando numa queda de produtividade na ordem dos 4,2%.

A diminuição na produtividade fez-se ainda sentir com maior ênfase no Alentejo (-2,3%), Área Metropolitana de Lisboa (-1,4) e no Algarve (-1%), este um valor idêntico ao total do país em 2014.

A Madeira (-0,7%), Centro (-0,2%) e Norte (-0,1%) registaram quebras na produtividade abaixo da média do total do país.

O INE assinala ainda que em 2014 registou-se um aumento do emprego, mas com remuneração inferior.

Segundo os dados, apesar do aumento do emprego medido em Indivíduos totais em todas as regiões em 2014 (1,4% no total do país), a remuneração média caiu em todas as regiões de Portugal (-1,8% no total do país).

O decréscimo na remuneração média foi mais evidente nos Açores (-4,5%), Madeira (-3,7%), Lisboa (-2,2%) e Algarve (-1,7%).

O INE releva ainda na rubrica Contas das Famílias que, em 2014, o rendimento das famílias açorianas aumentou.

Segundo a informação disponibilizada em 2013, o Rendimento Primário Bruto registou um acréscimo de 0,4% nos Açores, abaixo da média nacional (0,6%).


Fonte: Lusa

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Sete mais Quatro? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos