Economia

Aumentam as candidaturas aos apoios à contratação

  • 29 de Julho de 2016
  • 474 Visualizações, Última Leitura a 24 Abril 2019 às 06:30
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A procura do programa Integra está a aumentar, revela a diretora regional do Emprego e Qualificação Profissional, Ilda Baptista.

“Um sinal de retoma económica”, considera a diretora regional que , especifica que a procura por este programa que apoia as empresas e outras entidades empregadoras  que contratem novos funcionários, começou a crescer desde o final do ano passado, tendo se intensificado, em especial, na “época alta”.

Ilda Baptista explica que, “há uns anos atrás, este programa tinha menos de metade das candidaturas que tem hoje em dia” - têm sido registadas mais de 100 candidaturas por mês e, em alguns meses, foram quase 200, sendo que, sublinha a diretora regional, “há candidaturas que pedem apoios para integrar três a quatro pessoas”.

“Estamos bastante satisfeitos com o comportamento do mercado de trabalho, porque o nosso objetivo é que as pessoas consigam um posto de trabalho efetivo que lhe garanta todos os direitos e deveres”, sublinha.

“As empresas precisam de pessoas para trabalhar e isso é muito bom”, diz Ilda Baptista que considera que o Integra tem contribuído para “colocar muitas pessoas no mercado de trabalho”.

O programa INTEGRA tem por  objetivo a promoção da criação de  novos postos de trabalho através  da atribuição de um apoio  financeiro às entidades empregadoras.

É concedido à entidade um subsídio mensal por cada posto de trabalho criado, pago até ao máximo de 12 meses: 350 euros por mês, quando o posto trabalho for ocupado por trabalhador que estiver desempregado há menos de um ano;

ou 450 euros por mês, quando o posto de trabalho for ocupado por trabalhador desempregado há mais de 1 ano. Em caso de contratação de desempregado com idade superior a 50 anos, os montantes são majorados em 20 por cento.

Segundo a diretora regional do Emprego e Qualificação Profissional, Ilda Baptista, verifica-se também por outro lado, um aumento das contratações dos  jovens estagiários, após a realização de uma primeira experiência profissional, através do programa Estagiar.

Como salienta Ilda Baptista,  o principal objetivo dos programas de apoio ao Emprego disponibilizados pelo executivo é incentivar a criação de novos postos de trabalho.

Os programas ocupacionais surgiram como uma resposta à crise e ao aumento do desemprego, para que não existissem famílias açorianas sem qualquer rendimento, mas, como sublinha a diretora regional, o executivo espera que, com a retoma económica, a sua necessidade vá diminuindo, por via da contratação de mais açorianos pelas empresas.

Na quarta-feira, foi publicada uma portaria, onde se autoriza um adiantamento de 80% relativamente aos montantes a aprovar, para que as operações aprovadas em overbooking do Pro-Emprego sejam acomodadas no PO Açores 2020, por falta de dotação do programa.

Segundo Ilda Baptista, trata-se de uma situação resultante do período de transição entre quadros comunitários e da impossibilidade de interromper os apoios concedidos no âmbito desse mesmo programa, tratando-se, portanto, de “um encontro de contas”.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Cinco? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos