Economia

Açores muito procurados no continente

  • 18 de Abril de 2016
  • 716 Visualizações, Última Leitura a 25 Agosto 2019 às 04:58
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Bolos lêvedos, compotas, queijadas da Graciosa, conservas, licor de maracujá e pé de torresmo. Produtos regionais que até há bem pouco tempo eram quase desconhecidos e, inexistentes no continente português, agora proliferam nas várias lojas de produtos açorianos que se têm espalhado pelas maiores cidades do país e que já não servem apenas o chamado “mercado da saudade”.

“Os continentais já começam a procurar muito, como agora tem ido muita gente ao arquipélago  a bordo das low cost”, explica ao Açoriano Oriental, Carlos Gomes, proprietário do Mercadinho dos Açores,  junto ao Mercado do Bolhão, em pleno coração da cidade do Porto.

Uma das características que faz quem mora no continente português procurar estes “pedaços” das ilhas é a qualidade - “quando pensam em produtos dos Açores pensam em qualidade”, conta Carolina Ferreira, a cara por trás da Mercearia dos Açores, na outra ponta do país, em Lisboa.

A empresária diz que a maioria dos continentais que viajaram até ao arquipélago querem “reviver os sabores que encontraram aí”. Mesmo os que nunca foram “reconhecem que são bons produtos, há uma boa imagem”. Carlos Gomes acrescenta que pelo facto de “não serem muito industrializados”, há a ideia de serem artigos “mais caseiros, com mais cuidado”.

A comerciante sediada em Lisboa conta que também há alguns anos “haviam muito poucos produtos dos Açores aqui para além do queijo de São Jorge”. Hoje já é comercializado “quase de tudo, mas os que têm mais saída são sem dúvidas os bolos lêvedos, a massa sovada, os licores, principalmente o de maracujá e o queijo de São Jorge cortado por nós aqui na loja”.

No Porto, o Mercadinho dos Açores até vende inhames e batatas doces vindos diretamente da região, mas o proprietário, que viveu 20 anos em Ponta Delgada, confessa que não são uma opção muito “popular” junto do continentais, sendo muito mais procurados pela comunidade açoriana que vê nestes estabelecimentos uma maneira de “matar saudades de casa”. A loja de Carlos Gomes é a única do género na região norte do país e abastece os açorianos de Braga, Aveiro e até da Figueira da Foz.

Com a existência destes espaços nos maiores centros urbanos do país, muitos turistas que viajam para a região “já nem compram nada aí, porque fazem uma pesquisa e descobrem que podem chegar cá e  encontrar os mesmos artigos, os preços não são muito superiores e escusam de andar carregados”, remata Carlos Gomes.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Oito mais Sete? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos