Economia

Empresários e agricultores satisfeitos com gabinete de ’lobby’

  • 3 de Fevereiro de 2016
  • 450 Visualizações, Última Leitura a 17 Setembro 2019 às 23:46
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O anúncio da criação de um gabinete de representação dos Açores em Bruxelas, em conjunto com a Madeira, deixou os representantes da Câmara de Comércio e Industria de Ponta Delgada e de Angra do Heroísmo satisfeitos com a concretização de uma reivindicação antiga.

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, mostrou entusiasmado com esta decisão política e espera que este gabinete consiga defender os interesses dos Açores junto do Parlamento e Comissão Europeia.

“Não sabemos a forma como o gabinete será operacionalizado, mas será relevante criar um ‘lobby’ importante para estas duas regiões ultraperiféricas. Também devemos contar com o apoio de outras regiões para beneficiarmos de alguma solidariedade”, alerta Jorge Rita.

O presidente da Câmara de Comércio e Industria de Ponta Delgada, Mário Fortuna, acredita que este gabinete vai assegurar uma “intervenção mais incisiva e participada nas questões que são do nosso interesse e precisam de ser resolvidas na Europa”, frisou.

A direção da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) emitiu um comunicado a sublinhar que considera muito positiva a criação de um Gabinete de Representação das Regiões Autónomas em Bruxelas.

Esta medida, defendida há muitos anos pela CCAH, é de extrema importância para a defesa dos interesses dos Açores, que convergem em diversas matérias com os interesses da Região Autónoma da Madeira.

“Temáticas como o mar e as pescas, a agricultura e as florestas desempenham papéis fundamentais na economia das duas regiões, que o Gabinete de Representação reforçará, e facilitará a influência na tomada de decisões a nível europeu”, indica o comunicado dos empresários de Angra do Heroísmo.

A CCAH ressalva ainda que “a disponibilidade do Gabinete para os parceiros sociais é essencial para que a integração seja a melhor, desejando que o reatar das relações institucionais possa ser, também, incentivo importante para as ligações económicas e empresariais”.

Neste ponto, Jorge Rita, representante dos agricultores, considera que os Açores devem procurar estabelecer ligações comerciais com a Madeira, através da venda de carne, laticínios, alho e outros produtos agrícolas.

“Devemos criar uma plataforma, que não sirva apenas uma organização, mas que promova o comércio de todos os produtores para a Madeira”, concluiu.


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Oito? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos