Economia

Acesso ao radar meteorológico americano é "imperativo"

  • 28 de Janeiro de 2016
  • 482 Visualizações, Última Leitura a 19 Março 2019 às 23:04
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O Governo Regional considera “essencial” e “imperativo” que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) volte  a ter acesso “atempado e sem problemas”, aos dados do radar meteorológico que os norte-americanos têm instalado na Base das Lajes e que é o único do género nos Açores.

Esta preocupação foi ontem manifestada em Ponta Delgada pelo Presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro,  que diz estar a aguardar informação oficial para que a Região possa perceber o porquê do IPMA já não ter acesso nos Açores à informação disponibilizada pelo radar meteorológico dos norte-americanos.

Vasco Cordeiro falava no final de uma reunião com os deputados da Comissão de Política Geral do parlamento açoriano, durante a qual transmitiu as mais recentes informações sobre o processo de reestruturação da presença militar e civil norte-americana na Base das Lajes.

Sobre a questão laboral e nomeadamente a redução do número de civis portugueses a trabalhar na Base das Lajes - um dos assuntos abordados na reunião - Vasco Cordeiro disse “estarem criadas as condições para que o redimensionamento das forças norte-americanas se faça sem o recurso ao despedimento, puro e simples, mas antes por mútuo acordo e para que isso aconteça é necessário que se cumpra não apenas a letra, mas também o espírito dos compromissos que foram assumidos na Comissão Bilateral”.

Um problema que, pelo menos para já, não se coloca, uma vez que e segundo Vasco Cordeiro “até ao momento estes compromissos têm sido assumidos e cumpridos”.

Na componente ambiental e nomeadamente no eliminar da ‘pegada’ deixada na ilha Terceira ao longo das últimas décadas pela construção e utilização das muitas infraestruturas militares norte-americanas, o Presidente do Governo Regional salientou a necessidade de “não ser descurada a importância que esta componente tem para a uma solução globalmente satisfatória no processo da Base das Lajes”.

Preocupações ambientais que foram, aliás, pessoalmente manifestadas por Vasco Cordeiro à delegação norte-americana presente na última reunião da Comissão Bilateral Portugal-EUA, que decorreu no final do ano passado na ilha Terceira. “Há ainda trabalho a fazer, mas acreditamos que há vontade da parte norte-americana de prosseguir este trabalho”, afirmou Vasco Cordeiro.

O Presidente do Governo Regional manifestou ainda aos deputados a sua expectativa em relação ao relatório que deverá ser apresentado pelo governo norte-americano ao congresso federal até março, avaliando a “viabilidade operacional” da Base das Lajes para acolher um conjunto de serviços e, nomeadamente, o já falado Centro de Análise de Informações, uma estrutura altamente especializada, que um grupo de congressistas liderado pelo lusodescendente, Devin Nunes, quer ‘desviar’ do Reino Unido para as Lajes.

Esta foi a segunda vez que o Presidente do Governo Regional se reuniu com os deputados da Comissão de Política Geral do parlamento açoriano, num encontro que decorreu no Palácio de Sant’Ana, depois de um primeiro encontro em maio de 2014, no Palácio da Conceição.

Vasco Cordeiro lembrou ainda que sobre a Base das Lajes, tem mantido também contactos diretamente com os líderes partidários nos Açores para ‘troca de informações’ e para a construção de consensos sobre este assunto de capital importância “para a economia da ilha Terceira e para os Açores”, disse.

Por seu lado, Jorge Costa Pereira, deputado social-democrata pela ilha do Faial e que preside à Comissão de Política Geral, salientou a iniciativa do Governo Regional de fazer reuniões periódicas específicas com o parlamento para dar conta do processo de reestruturação da presença norte-americana na Base das Lajes, “que inaugurou uma forma de abertura e de trabalho entre o executivo e a assembleia legislativa”, acrescentando ainda que a informação fornecida nestas reuniões aos deputados é “útil e importante para que todos os partidos possam assumir posições a partir de informação atualizada”.

Jorge Costa Pereira disse, por fim, que os esforços políticos para resolver ou minimizar os problemas relacionados com a redução da presença norte-americana na Base das Lajes  é um assunto “consensual” entre os partidos com assento no parlamento açoriano. 


Fonte: Açoriano Oriental

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Sete? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos