Economia

Mais de três quartos das exportações estão nas mãos de mil empresas

  • 28 de Outubro de 2015
  • 440 Visualizações, Última Leitura a 22 Agosto 2019 às 09:03
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

A crise forçou a procura de novos mercados, mas a maior parte do valor continua concentrado em poucas empresas.

Há mil empresas em Portugal que são responsáveis por 76,2% do valor exportado no ano passado.

São mais de três quartos das vendas ao exterior, concentradas em 2,1% das empresas exportadoras portuguesas.

Os dados revelados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que a crise não chegou para alargar a base exportadora do país.

Era um dos objectivos do programa de ajustamento e, supostamente, seria um dos benefícios da restrição do consumo interno.

Com o mercado doméstico sujeito a fortes restrições de rendimentos - provocados pelo aumento da carga fiscal, cortes nos salários da Função Pública e nas pensões, e ainda pelo impacto do desemprego - a procura interna caiu a pique.

Esperava-se por isso que as empresas tivessem mais incentivo para se virar para a exportação.

Ora, os dados revelados ontem pelo INE mostram que esse incentivo não surtiu o efeito esperado.

A maior parte do valor exportado continua concentrado num número muito restrito de empresas.

Face à média de 2010 a 2013, o ano passado trouxe uma redução desta concentração, mas “pouco significativa”, como afirma o INE.

Entre 2010 e 2013 as mil maiores exportadoras respondiam por 77,1% do valor exportado; no ano passado este valor caiu para 76,2%.

Continua a haver apenas cinco gigantes da exportação responsáveis por 16,1% do valor exportado (a média de 2010 a 2013 era de 16,8%).

Estas cinco maiores exportadoras mantiveram como principais clientes a Alemanha, Espanha e os Estados Unidos.

“Somos um país de pequenas e médias empresas”, comenta Luís Aguiar-Conraria, economista e professor da Universidade do Minho. “As restrições financeiras dos últimos anos pesaram”, explica. “Uma coisa é tentar escoar produto noutros mercados; outra é planear investimentos para vender lá fora”, adianta ainda o economista, frisando que “não houve grande margem para grandes investimentos”.

Os dados do INE confirmam que são as maiores empresas as responsáveis pela maior parte do valor exportado.

Cerca de dois terços do valor exportado são da responsabilidade de apenas 3.300 empresas, todas com pelo menos 50 trabalhadores. Mais: as empresas com mais de 250 trabalhadores respondem por 40% do valor exportado.

Contudo, a crise teve impacto na diversificação dos mercados de exportação. “Face à média dos últimos quatro anos tem-se verificado uma crescente diversificação de mercados de exportação e também de importação, principalmente para países terceiros, em resposta à crise económica que se tem sentido particularmente na Europa”, lê-se no relatório do INE.

Ou seja, poucas foram as empresas que conseguiram entrar no clube das exportadoras de forma significativa (há mais 3.430 empresas exportadoras face a 2010), mas as que já pertenciam a este grupo conseguiram aumentar a aposta nos mercados extra-comunitários - há mais 34,1% de empresas a vender para 20 ou mais países fora da União Europeia.

 

Fonte: Diário Económico

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Três mais Um? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos