Economia

Educação Empreendedora já abrange 2700 alunos

  • 17 de Setembro de 2015
  • 507 Visualizações, Última Leitura a 24 Agosto 2019 às 07:45
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O projeto “Educação Empreendedora” mais do que duplicou o número de alunos abrangidos nas escolas da Região, tendo começado com 1040 alunos em 2010 para abranger 2700, cinco anos depois.

O que começou por ser um projeto-piloto na Região já abrange hoje todos os ciclos de ensino regular e profissional, do 1º ao 12º ano de escolaridade. Das 26 escolas iniciais passou-se para as 48 deste ano, enquanto que dos 53 professores envolvidos na primeira edição já se passou agora para 108.

“Este projeto já se consolidou e fornece hoje uma formação na área do empreendedorismo jovem, trabalhada logo desde o primeiro ciclo do ensino, com um sucesso enorme, não só por parte dos alunos, como também por parte dos professores, que têm sido um veículo fundamental na formação dos jovens e numa mudança de atitude, que é o que procuramos, para um espírito empreendedor e criativo e não obrigatoriamente empresarial”, afirmou a diretora regional de Juventude, Pilar Damião, durante a sessão de abertura da sexta edição do projeto “Educação Empreendedora: O Caminho do Sucesso!”, que ontem decorreu em Ponta Delgada.

A formação de três dias que ontem teve início destinada aos professores é a primeira de um conjunto de formações que decorrem ao longo do ano, integrando-se a Educação Empreendedora no bloco de 90 minutos semanais dedicados à Área de Cidadania.

Os alunos trabalham noções de empreendedorismo com os professores e, sobretudo, desenvolvem ideias que procuram levar à prática, muitas vezes tendo de começar a ‘vender’ o seu projeto dentro da própria escola.

Para quem realmente tem jeito para o negócio, o concurso de empreendedorismo jovem ‘IdeiAçores’ é o culminar deste processo educativo, embora muitos professores gostem de salientar que não se pode formatar o conceito de empreendedorismo apenas à necessidade de ter uma ideia de negócio, podendo este manifestar-se de outras formas proativas perante a vida que não passem apenas pela criação do próprio trabalho.

Também na sessão de abertura, Marisa Toste, vogal da administração da Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA) - parceira do “Educação Empreendedora” - lembrou que este organismo público tem por missão apoiar novos projetos que possam levar à criação de empresas e de emprego podendo, por isso, ser a porta seguinte à qual os alunos saídos das escolas podem ir bater para tentar passar da teoria à prática e tentar implementar as suas ideias de negócio.

O primeiro dia de formação dos professores para a sexta edição  do projeto ‘Educação Empreendedora’ contou com uma intervenção de André Leonardo, um jovem terceirense de 26 anos, formado em gestão e que recentemente se destacou a nível regional e nacional por ter dado durante um ano uma original Volta ao Mundo, onde visitou 23 países e falou com 143 empreendedores de vários tipos, do maior bairro de lata do mundo de Kibera, no Quénia, ao melhor ecossistema empresarial do mundo, o de Silicon Valley, nos Estados Unidos da América.

Aos seis anos, André Leonardo fez o seu primeiro negócio quando comprou duas caixas das suas pastilhas elásticas preferidas com o dinheiro da venda pelos vizinhos de ramos feitos com todas as flores que conseguiu colher no quintal dos seus pais.

Mais tarde, aos 20 anos, conseguiu reunir 600 pessoas no Centro de Congressos de Angra do Heroísmo numa grande conferência sobre empreendedorismo, à qual,  partindo do zero, conseguiu levar convidados nacionais e internacionais, inclusive o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que se deslocou de jato privado à conferência para poder ainda jantar em Lisboa com a sua filha que fazia anos naquele dia.

Dos muitos exemplos de empreendedorismo que encontrou pelo mundo fora garante que, nos Açores, “há uma base de arranque muito boa” para um jovem empreendedor, “difícil de encontrar em muitos dos lugares onde estive”.

André Leonardo está agora a preparar o lançamento do livro “Faz Acontecer”, onde descreve a experiência da sua Volta ao Mundo empreendedora, um livro que faz questão de enviar à professora de Português que um dia na escola lhe disse que ele iria ser muito bom nas matemáticas mas que não tentasse escrever, porque não sabia.

Falando para uma plateia de professores, André Leonardo lembrou, por isso, o quão importante é para um professor não dar estímulos negativos a um aluno, fazendo-o acreditar que não consegue. Pelo contrário, o ‘fazer acontecer’ que André Leonardo tanto defende é a capacidade de vencer o medo e de, perante o que não se sabe fazer ou se desconhece, tentar... até conseguir.


Espírito empreendedor não é só negócio

“O espírito empreendedor que pretendemos trabalhar nas escolas não significa que esteja exclusivamente ao serviço de uma ideia de negócio, porque o espírito empreendedor, sendo importante para a criação de uma empresa, vai também muito além disso, permitindo que o jovem seja capaz de definir objetivos de vida e encontrar a melhor estratégia para os alcançar”, afirmou a diretora regional da Educação, Fabíola Cardoso, na sessão de abertura da sexta edição do projeto “Educação Empreendedora: O Caminho do Sucesso!”, ontem em Ponta Delgada.

A diretora regional lembrou, por exemplo, que o empreendedorismo também se afirma na área social e que a educação empreendedora é uma “aposta de longa data” do Governo Regional dos Açores, salientando o papel importante que os professores desempenham neste projeto, dinamizando os grupos de alunos nas suas escolas.

 

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Seis? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos