Economia

PSD/Açores acusa - César “farto e sem pachorra

  • 26 de Novembro de 2009
  • 234 Visualizações, Última Leitura a 20 Novembro 2017 às 03:59
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

O PSD lançou ontem um forte ataque ao governo socialista dos Açores, que disse ser liderado por “um presidente farto e sem pachorra”, considerando que o Plano para 2010 demonstra a “resignação” do executivo liderado por Carlos César.

“Este governo, com um presidente farto e sem pachorra, dois secretários a jogarem para si e para a sua ambição, dois sem capacidade de decisão e outros sem ideia nenhuma, apresenta um Plano baço e engordurado, sem ponta de brilhantismo”, afirmou Jorge Macedo, vice-presidente da bancada parlamentar do PSD/Açores.

Num discurso proferido durante o debate do Plano e Orçamento para 2010, o dirigente social-democrata afirmou ser “penoso ver (o governo regional) a tentar motivar um carreiro de formigas atrás de uma migalha”.

“Este plano é o retrato da vossa resignação. Já escolheram um banco de jardim para deitar milho aos pombos, que o mesmo é dizer, alimentar clientelas para controlar a sociedade civil organizada e silenciar vozes incómodas”, frisou.

Numa intervenção voltada para o sector dos transportes, Jorge Macedo considerou que o plano proposto pelo executivo para 2010 “é uma caldeirada de indefinições”.

Nesse sentido, criticou a “trapalhada” do estudo encomendado pelo governo sobre o transporte marítimo de passageiros e acusou o executivo regional de não defender os interesses dos açorianos em matéria de transporte aéreo.

Para Jorge Macedo, defender a manutenção do monopólio TAP/SATA prejudica as taxas de ocupação dos hotéis do arquipélago, “penaliza” a competitividade e “estrangula” o desenvolvimento.

 

Capacidade empreendedora

Por seu turno, o Governo Regional dos Açores apelou ontem à capacidade empreendedora dos empresários para ultrapassar a actual crise que se vive no sector do turismo, defendendo que o Executivo não pode resolver o problema sozinho.

“A situação só poderá ser ultrapassada com sucesso se, da parte do governo e dos empresários, existir a consciência clara de que só ficaremos bem se cada um cumprir a sua parte”, afirmou Vasco Cordeiro, secretário regional da Economia, numa intervenção no plenário do parlamento açoriano.

Discursando no debate sobre o Plano e Orçamento para 2010, Vasco Cordeiro salientou que o executivo “planeou um conjunto de acções que visam contraria factores de inércia dos fluxos turísticos”, nomeadamente com investimentos estratégicos nesta área.

O secretário regional da Economia frisou, no entanto, que, por muito que possa o governo fazer, há um espaço a partir do qual a diferença entre sucesso e insucesso reside na competência e na capacidade empreendedora dos empresários”.

Para ajudar os empresários, em 2010, o governo regional disponibilizará um sistema de incentivos no montante global de 30 milhões de euros.

Na sua intervenção, Vasco Cordeiro destacou ainda a importância que o executivo regional atribui às acessibilidades aéreas e marítimas no arquipélago.

Relativamente ao transporte marítimo, revelou que o governo decidiu fretar navios para as operações de 2010, 2011 e, eventualmente, 2012, destacando que será exigido que os navios a alugar tenham portas laterais, de forma a evitar problemas no acesso a alguns dos portos do arquipélago.

 

Investimentos estruturantes para a Terceira "continuam adiados" - acusa Carla Bretão (PSD)

O PSD/Açores denunciou ontem que os investimentos e medidas estruturantes para a economia da ilha Terceira “continuam adiados” e defendeu que a sua concretização pode “fazer toda a diferença” no actual cenário de crise.

“Vemos investimentos que já deveriam ter sido executados há muito tempo e que poderiam fazer toda a diferença neste tempo difícil que atravessamos. Trata-se de investimentos e medidas claramente estruturantes e imprescindíveis para o desenvolvimento das potencialidades económicas da Ilha Terceira que continuam adiados”, afirmou a deputada social-democrata Carla Bretão, na Assembleia Legislativa dos Açores, durante o debate do Plano e Orçamento para 2010.

A parlamentar do PSD/Açores deu como exemplos de projectos adiados o parque de exposições da ilha Terceira, “cujo projecto foi apresentado em 2004”, o terminal de cargas da aerogare civil das Lajes e a ampliação da placa de estacionamento da mesma aerogare, “anunciada desde 2006”.

Carla Bretão referiu também que o governo regional mantém “adiados” o aumento da competitividade do porto da Praia da Vitória e a implementação de uma “política de transportes eficiente que promova as potencialidades de todas as ilhas e, neste caso em particular, da Terceira”.

A  deputada social-democrata salientou também que o governo regional “pede o impossível” quando apela à confiança dos empresários, dado que “ele próprio não a consegue transmitir”.

“Pedem a confiança dos empresários e àqueles que até têm vontade de investir, mas que depois ficam à espera oito e mais meses pela aprovação de uma simples candidatura ao  sistema de financiamento de projectos de pequena dimensão, mais conhecido por microcrédito”, considerou.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Seis mais Um? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos