Economia

Empresários devem assumir a diferença no salário mínimo açoriano

  • 19 de Novembro de 2009
  • 202 Visualizações, Última Leitura a 22 Setembro 2017 às 15:15
    • *
    • *
    • *
    • *
    • *

Esta foi a resposta de Carlos César, às declarações de Mário Fortuna, que defende que a responsabilidade deveria ser do Governo.

Carlos César defende que o complemento ao salário mínimo nacional é da responsabilidade das empresas e não do Governo Regional.

O Presidente do Executivo, que falava à comunicação social após uma audiência no Palácio de Sant´Ana com a nova direcção do Núcleo de Empresários da Lagoa, respondeu desta forma, às declarações de Mário Fortuna, presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada (CCIPD).

Mário Fortuna defendeu recentemente que a diferença entre o salário mínimo nos Açores, que é de 472 euros e, o valor em prática no restante território nacional, que é de 450 euros, deve ser assumida pelo Governo Regional.

O presidente da CCIPD declarou que a diferença de 22 euros por mês, multiplicada por catorze meses (incluindo os subsídios de Natal e férias) e pelo número de trabalhadores de cada empresa, representa um esforço considerável, por parte dos empresários do Arquipélago.

Questionado no local pelos jornalistas, Carlos César afirmou que “desde logo a política social não cabe ao Governo Regional”, chegando mesmo a considerar “mau que o líder de uma organização empresarial tenha essa ideia”. O líder do Executivo regional considerou que “responsabilidade social é de cada cidadão, o que inclui também, as empresas”.

Comentários

Deixar Comentário

Quantos são Dois mais Um? O que é isto?

Pesquisar

Conhecer Todos
Conhecer Todos