Economia

Mercado de Exportação do Canadá

Segundo o Banco Mundial, em 2013 o Canadá posicionou-se no 11º lugar do ranking das maiores economias, o que não surpreende tendo em conta que se trata de uma das economias mais desenvolvidas, aberta e muito competitiva, com um elevado nível de vida e que integra o G8 (grupo restrito que reúne os 8 países mais industrializados e desenvolvidos).

Nos próximos 5 anos, de acordo com as projeções avançadas pelo The Economist Intelligence Unit (EIU), e com a previsível retoma dos principais parceiros comerciais do Canadá, deverá diminuir o défice dos bens o que, no entanto, não será suficiente para anular os défices das balanças de serviços e de rendimentos. Em 2018, final do período projetado, o défice da balança corrente deverá situar-se em 1,9% do PIB, o que não deverá colocar a risco a captação de fluxos de financiamento.

De acordo com os dados publicados pela United Nations Conference on Trade and Development - UNCTAD, o Canadá registou em 2012, em termos absolutos, um maior contributo para o investimento internacional, contudo ainda abaixo dos níveis de 2008. Em 2012, o país foi o 10º recetor de investimento direto estrangeiro (IDE) e o 7º maior investidor, com crescimentos em relação a 2011 de 9,2% e 8,2%, respetivamente. De referir que em 2008 posicionava-se no 9º lugar como recetor de IDE e no 6º como emissor.

No período de 2008-2012 a média anual do investimento estrangeiro realizado no Canadá foi de aproximadamente 40 mil milhões de United States Dollar (USD) e do investimento realizado por agentes económicos do Canadá em mercados externos, rondou os 51,5 mil milhões de USD.

Segundo o Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) do Ministério da Economia, 66,2% dos produtos industriais transformados exportados de Portugal para o Canadá, em 2012, continham um grau de intensidade tecnológica baixa, 22,3% média-baixa e 3,3% alta. Em 2008, 51,2% dos produtos tinham um grau de intensidade baixa, 36,5% média-baixa e 2,7% alta.

De acordo com os dados publicados pelo INE, em 2012, o número de empresas em Portugal que exportaram para o Canadá foi de 1.165, mais 43 do que em 2011.

No Canadá não existe uma agência única com responsabilidades sobre os vários aspectos legislativos, políticos e económicos do investimento directo estrangeiro (IDE), repartindo-se estas matérias por três organismos principais, que têm competências directas na área do Investimento: o Industry Canada; o Canadian Heritage Department (para os investimentos na área da cultura), e o Department of Foreign Affairs, Trade and Development, que engloba o departamento apelidado Invest in Canada / Canadian Trade Commissioner Service.

Assim, aquisições diretas, totais ou parciais de sociedades nacionais, por parte de investidores estrangeiros residentes em países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) - caso de Portugal, com valores superiores a 354 milhões de dólares canadianos (limiar em vigor para 2014), têm de obedecer a um processo de análise/autorização prévia. Se o investimento ocorrer no setor da cultura (rádio, televisão, revistas, jornais, etc.) / Cultural Sector Investment Review o limiar a partir do qual é necessária análise/autorização prévia desce para 5 milhões de dólares canadianos.

Para mais informações consultar os ficheiros a baixo.

 

Fonte: http://www.portugalglobal.pt/PT/Paginas/Index.aspx

 

Pesquisar